Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Vacina da Johnson & Johnson pode ser menos eficaz contra a variante Delta

Um estudo ainda não revisto por pares indica que a vacina da Johnson & Johnson é menos eficaz contra a variante Delta, atualmente dominante em Portugal. Autores sugerem segunda dose, eventualmente da Pfizer ou Moderna.

Negócios jng@negocios.pt 21 de Julho de 2021 às 13:28
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...

A vacina da Johnson & Johnson é menos eficaz contras as variantes Delta e Lambda, de acordo com um estudo publicado esta terça-feira, 20 de julho, citado pelo The New York Times.

De acordo com os resultados do estudo, que foram baseados em experiências com amostras de sangue num laboratório, e não em contexto real, as 13 milhões de pessoas inoculadas com a vacina de Johnson e Johnson podem precisar de uma segunda dose, eventualmente do tipo da Pfizer ou da Moderna.

"A mensagem que queremos transmitir não é que as pessoas não devem tomar a vacina da Johnson & Johnson, mas esperamos que no futuro seja reforçada ou com outra dose da Johnson & Johnson ou da Pfizer ou Moderna", disse ao jornal o coordenador do trabalho, Nathaniel Landau.

O estudo ainda não foi publicado numa revista científica ou revisto por pares.

A porta-voz da Johnson & Johnson considerou que os dados do estudo "não traduzem a natureza completa da proteção imunitária" e acrescentou que outros promovidos pela empresa indicam que a vacina "gerou uma forte e persistente atividade contra a propagação rápida da variante Delta.

Inicialmente identificada na Índia e mais transmissível, a variante Delta é dominante "em todas as regiões" portuguesas.

De acordo com um relatório divulgado esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, é responsável por 94,8% dos casos de infeção em Portugal, percentagem que sobe para 100% no Alentejo, nos Açores e na Madeira.

Ver comentários
Saber mais vacinas imunização variante delta pfizer moderna estudo ciência saúde
Outras Notícias