Economia Costa quer descentralização com bom senso e consenso

Costa quer descentralização com bom senso e consenso

O chefe do Governo abriu, este sábado, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real, o debate subordinado ao tema "Descentralização – entre o bom senso e o consenso".
Costa quer descentralização com bom senso e consenso
António Pedro Santos/Lusa
Lusa 10 de março de 2018 às 12:47

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou, este sábado, que a descentralização deve ser feita com "bom senso e com consenso", porque transcende o mandato de uma legislatura, têm consequências na organização do Estado e deve requerer um amplo consenso, avança a Lusa.

 

"E aquilo que nós desejamos é que a descentralização seja feita com bom senso e em consenso, porque é uma reforma que transcende necessariamente o mandato de uma legislatura, tem consequências profundas na organização do Estado e deve requerer o consenso tão amplo quanto possível, não só na esfera partidária como no conjunto da sociedade", salientou o primeiro-ministro, no seu discurso.

E, para que isso seja possível, defendeu que "é necessário que se avance com bom senso".

António Costa lembrou que o Governo assumiu a "descentralização como a pedra angular da reforma do Estado" e focou a descentralização de competências para os munícipios e freguesias.


"O processo de descentralização fracassará se o Estado transferir atribuições e competências sem conferir aos municípios os meios necessários, humanos, equipamentos, financeiros para que eles possam exercer essas competências mas fracassará também se desse processo de transferência de competências e de atribuições não resultar maior eficiência e eficácia na gestão dos nossos recursos e, pelo contrário, o Estado acabar por ficar com encargos que não tem depois condições de lhes dar continuidade", frisou.


E, para que não se confunda a lei de financiamento em geral com o processo de transferência de competências, Costa explicou que a "lei das finanças locais prevê a criação de um fundo de financiamento da descentralização onde ficarão alocadas as verbas em concreto, município a município, devem ser transferidas como a mochila financeira das correspondentes atribuições e competências".


"Creio que estão criadas as condições legais para podermos avançar naquilo onde há consenso e onde, por isso, o bom senso recomenda que avancemos", reforçou.


Quanto às áreas metropolitanas, o primeiro-ministro salientou que "há um trabalho avançado" e que as juntas metropolitanas de Lisboa e Porto "têm praticamente concluída uma proposta final que estão em condições de apresentar ao Governo".


Ainda este mês, acrescentou, "terá lugar uma cimeira entre o Governo e as duas juntas metropolitanas" para se poder "concretizar o novo quadro de competências".


António Costa salientou ainda a "reflexão que é necessário fazer relativamente ao escalão regional", lembrou que sempre foi a favor da regionalização e reforçou que, "para que o caminho continue a ser bem percorrido, é necessário que continue a ser percorrido com bom senso".


"O líder da oposição propôs que fosse feito um estudo promovido pela Assembleia da República sobre a administração ao nível regional. Pela minha parte penso que se a Assembleia da República desejar tomar essa iniciativa ela é bem-vinda e permitirá um debate sereno, atempado, prolongado, que ajude a gerar consenso e permita avançar com bom senso no momento que seja oportuno", sublinhou.


A descentralização e o quadro comunitário pós-2020 são as duas áreas que estão a ser discutidas entre o Governo e o PSD em dois grupos de trabalho criados especificamente para o efeito após a consagração de Rui Rio como líder do PSD no último congresso do partido.


O debate deste sábado foi promovido pela UTAD, a Associação Portuguesa de Geográficos e a Associação de Estudos de Direito Regional e Local e juntou diversas personalidades nacionais de diferentes quadrantes políticos e académicos. O encerramento do encontro fica a cargo do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Criador de Touros 11.03.2018

O jornal de negócios é muito amigo deste governo de esquerda. Neste governo o jornal de negócios não vê problemas, o problema são os outros, sempre envolvidos em polémicas. Quantos jornalistas do jornal de negócios são simpatizantes deste governo ? Será que este governo trata bem os jornalistas do jornal de negócios ? Este governo pode estar descansado com os jornalistas do jornal de negócios, se é que são jornalistas, pois há muitos que se dizem jornalistas e não passam de meros comissários políticos. Uma coisa é certa, os jornalistas do jornal de negócios gostam de estender a passadeira vermelha a este governo. É coisa típica em governos fascistas, socialistas e comunistas.É importante para o governo não existir qualquer forma de oposição na comunicação social. Um jornalista que estende a passadeira vermelha a um governo, seja qual seja, é um sabujo e jornalista será só para fazer rir os néscios com as suas baboseiras.

Judas a cagar no deserto 10.03.2018

Alguém sabe onde anda o preso da cela 44, um tal José Sócrates, do PS ?

Alguém sabe onde anda o preso da cela 44, um tal José Sócrates, do PS ?

Alguém sabe onde anda o preso da cela 44, um tal José Sócrates, do PS ?

Alguém sabe onde anda o preso da cela 44, um tal José Sócrates, do PS ?

Pois 10.03.2018

Bom senso e consenso? De acordo. Mas de onde virão? Do costa e sua gente nada se pode esperar a não ser a criação e dispersão de mais uns milhares de tachos para a sua boiada. A mediocridade de alguns, tal como a fama do Constantino, já vem de longe e não só do sócrates de triste memória!

Anónimo 10.03.2018

O que se vê: Miséria nos hospitais, repetição da mortandade, jovens despedidos de Portugal, ameaças ao povo pela GNR, corrupção, IMPOSTOS, IMPOSTOS ...

ver mais comentários
pub