Economia FMI mais optimista para 2018 que o Governo: prevê mais PIB e menos desemprego

FMI mais optimista para 2018 que o Governo: prevê mais PIB e menos desemprego

O Fundo Monetário Internacional apresentou esta terça-feira previsões actualizadas para o crescimento económico. Está mais confiante do que o Governo para 2018, mas para 2019 antecipa um abrandamento pronunciado.
FMI mais optimista para 2018 que o Governo: prevê mais PIB e menos desemprego
Margarida Peixoto 17 de abril de 2018 às 14:00
O Fundo Monetário Internacional está mais confiante no desempenho da economia portuguesa em 2018 do que o Governo. A organização liderada por Christine Lagarde reviu em alta a projecção de crescimento do PIB dos anteriores 2,2%, para 2,4% – mais uma décima do que o valor assumido pelo ministro das Finanças, Mário Centeno. Os números do FMI foram publicados esta terça-feira, no World Economic Outlook.

A projecção apresentada agora pelo FMI é mais um elemento que vem evidenciar a cautela com que o ministro das Finanças português está a projectar o comportamento da economia este ano. A revisão dos números por parte de Mário Centeno foi apresentada há poucos dias, sexta-feira passada, no âmbito do Programa de Estabilidade para o período de 2018-2022.

A projecção do crescimento do PIB é um dos elementos fundamentais para planear a estratégia económica e orçamental a implementar no próximo ano. Se o PIB for, de facto, mais elevado do que o esperado pelo ministro das Finanças, esse efeito terá impactos positivos tanto no comportamento do rácio da dívida pública, como no próprio funcionamento dos chamados estabilizadores automáticos – o nível de receita fiscal tende a ser superior, ao mesmo tempo que o de despesa com prestações sociais será mais baixo, favorecendo o saldo orçamental.

Também no que toca ao comportamento do mercado de trabalho, o FMI espera uma redução mais pronunciada da taxa de desemprego este ano: segundo o Fundo, a taxa de desemprego em 2018 será de 7,3%. Em Fevereiro a organização ainda projectava uma taxa de desemprego de 7,8%. 

Comparando com o Governo português, a avaliação que o FMI faz do mercado de trabalho nacional é mais positiva: Mário Centeno conta com um desemprego de 7,6% este ano. Se a realidade estiver mais próxima da previsão do Fundo, é de esperar menos despesa com prestações de desemprego e mais contribuições para a Segurança Social do que as que terão sido admitidas pelo Executivo português.

Mas o optimismo dura pouco
Contudo, a confiança do FMI quanto ao desempenho de Portugal é sol de pouca dura. Para o próximo ano, o Fundo antecipa um abrandamento pronunciado, prevendo que o PIB vai crescer outra vez abaixo do referencial de 2%. No World Economic Outlook a projecção é de 1,8% de crescimento para a actividade económica portuguesa.

Esta tendência de abrandamento contrasta com a projecção do Governo português. Mário Centeno colocou como meta uma estabilização do ritmo de subida da actividade económica, nos 2,3%. A meta do ministro das Finanças português destaca-se da maior parte das projecções das instituições que acompanham a economia nacional: Banco de Portugal, Conselho das Finanças Públicas e Comissão Europeia esperam um crescimento abaixo de 2%. Só a OCDE aponta para o mesmo número que Centeno, mas a organização não revê projecções desde Novembro do ano passado.

Ainda assim, no mercado de trabalho o FMI continua mais optimista para 2019 do que o Governo. A taxa de desemprego assumida pelo Fundo é de 6,7%, enquanto o Governo ainda conta com 7,2%.

Zona Euro também abranda em 2019, mas menos
O abrandamento esperado para a actividade económica também se verifica no conjunto da zona euro. Mas não será tão pronunciado. O FMI espera que depois de um crescimento de 2,4% em 2018 (o mesmo que o português), os parceiros da moeda única abrandem o ritmo para 2%. 

A concretizar-se esta expectativa, Portugal cresce este ano ao mesmo ritmo dos parceiros mas perde o comboio no próximo, voltando a divergir do conjunto do euro.

Para a economia mundial, o FMI espera um crescimento de 3,9% tanto este ano, como no próximo, uma projecção que ficou inalterada face a Janeiro.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Skizy Há 1 semana

As previsoes do FMI andam sempre com a onda do momento, baseadas em coisa nenhuma

Anónimo Há 1 semana

Toda a gente sabe que o FMI é o braço armado da Esquerda Radical e do Comunismo..

Esses comunas do FMI estão a fazer caixinha para ajudar um Governo socialista..

Este FMI anda metido com os sindicatos, grevistas, pensionistas e desempregados..

Toda a gente sabe disto!!

Fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 1 semana

a ciganada dos bairros sociais com casa a custa dos meus impostos e escravidão, tb conta ?

Anónimo Há 1 semana

Náaah... O FMI é é uma porcaria que anda sempre desfasado (de propósito) das realidades de cada país! Para além de serem uma cambada de incompetentes, claro. Mas estas atoardas, têm sempre algo por trás... nisso eles são bons!

Saber mais e Alertas
pub