Economia Governo negoceia helicópteros para incêndios com acusados de "cartelização"

Governo negoceia helicópteros para incêndios com acusados de "cartelização"

Os 28 meios aéreos em falta no dispositivo de combate para este ano vão ser contratados por ajuste directo, depois de falhado o concurso e a alternativa do Executivo. Há cedências nas penalidades e no tipo de aparelhos.
Governo negoceia helicópteros para incêndios com acusados de "cartelização"
Cofina Media
Negócios 16 de maio de 2018 às 10:48

O Governo decidiu chamar à negociação as quatro empresas que ainda há poucas semanas tinha acusado de terem adoptado uma "lógica de cartelização" no concurso para os helicópteros de combate a incêndios, por terem apresentado preços acima do valor que tinha sido fixado.

 

Falhada a alternativa encontrada na altura pelo Executivo – a empresa italiana Ariane/Eutotech não conseguiu garantir os meios aéreos em falta –, numa altura em que o risco de incêndios começa a aumentar, o ministro da Administração Interna está agora obrigado a realizar contratos de ajuste directo para os 28 helicópteros em falta no Dispositivo Especial de Combate aos Incêndios Rurais (DECIR) para este ano.

A Babcok, a HTA-Helicópteros e o consórcio entre a Helibravo e a Heliportugal já estão sentados à mesa negocial com Eduardo Cabrita e, segundo noticia o Público esta quarta-feira, 16 de Maio, o Governo acabou por ter de ceder às exigências que tinham sido feitas por estas empresas, como a subida do valor dos contratos para um número próximo do praticado nos anos anteriores.

 

Além disso, o valor das multas a aplicar por dia de inoperacionalidade dos helicópteros baixa de 20 mil para 5 mil euros e nestes ajustes directos podem entrar aparelhos de perfil diferente e também de gama inferior à que era exigida no concurso lançado em Dezembro do ano passado.

Na terça-feira, 15 de Maio, o Governo anunciou que 13 das 32 aeronaves previstas para a actual fase (nível II) no combate aos incêndios estão automaticamente aptas a voar. Neste chamado nível de empenhamento reforçado, que se manterá até 31 de Maio, o dispositivo passa a ser composto por 6.290 operacionais (organizados em 1.473 equipas) e ainda 1.441 viaturas, integrando também 72 postos de vigia para detecção de fogos florestais.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

Este governo criou o terror nas populações das aldeias por intermédio da GNR, tendo já como consequência 6 mortes horríveis. Espero bem que estes "crimes" não fiquem impunes.

Anónimo Há 6 dias

Que novidades. Há 30 anos que os incendiários e combate aos incêndios são os mesmos - até ainda se fazem contratos com eles. Este costa é do baril.... ainda vamos chegar à era da fome com tanta canalhada.

General Ciresp Há 6 dias

Sabia o jn q um aluno rende muito mais se tiver aulas ao ar livre?Maio,e junho durante o dia as matas eram por eles resguardadas.A gerigonca diz a boca cheia q ja receberam100tenas de refugiados po-los adaptar-se ao regime.A economia centena(robusta)ainda deixa muita gente com as maos atraz do cu.

pub