Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugal atrai pouco IDE e muito concentrado na indústria

A estrutura do investimento directo estrangeiro (IDE) em Portugal mantém-se praticamente inalterada desde o início da década, com a indústria a manter e até a reforçar a posição dominante (67%) e o sector dos serviços a não acompanhar a tendência europeia de crescimento.

António Larguesa alarguesa@negocios.pt 13 de Novembro de 2008 às 00:01
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
A estrutura do investimento directo estrangeiro (IDE) em Portugal mantém-se praticamente inalterada desde o início da década, com a indústria a manter e até a reforçar a posição dominante (67%) e o sector dos serviços a não acompanhar a tendência europeia de crescimento.

Em linha com a quota de mercado sectorial nos últimos anos (ver gráficos), dos 37 projectos de IDE (27 novos e 10 de alargamento) de que Portugal beneficiou em 2007, 65% foram direccionados para o sector industrial e 16% para serviços.

De acordo com um estudo da consultora Ernst & Young (E&Y), apesar dos novos investimentos industriais identificados terem sido bastante diversificados - incluem a montagem automóvel, electrónica, investigação científica, química, farmacêutica e eléctrica - os dados mostram que é ainda a mais tradicional actividade transformadora, menos geradora de mais-valias e de diferencial de competitividade, que tem a mais relevante quota de mercado (55%) do IDE em Portugal.

José Gonzaga Rosa, 'partner' da Ernst & Young, explicou ao Negócios que esta tendência deve-se à "importância que o sector automóvel ainda continua a ter em Portugal, ao contrário da Europa onde surge em oitavo lugar em termos de captação de investimento". No total europeu, a percentagem do IDE na indústria baixou de 63% para 60%.

logo_empresas
Ver comentários
Outras Notícias