Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

França quer Kristalina Georgieva a liderar o FMI, mas a idade é um problema

Para o Governo francês, a atual diretora executiva do Banco Mundial, Kristalina Georgieva, é vista como uma solução de compromisso para a liderança do FMI.

Reuters
Tiago Varzim tiagovarzim@negocios.pt 22 de Julho de 2019 às 10:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...
A búlgara que foi derrotada por António Guterres na corrida à liderança das Nações Unidas (ONU) pode agora bater Mário Centeno na corrida à liderança do Fundo Monetário Internacional (FMI). Em França, Kristalina Georgieva é vista como uma candidata de compromisso, mas é preciso mudar a regra da idade, de acordo com o Financial Times.

O diretor-geral do FMI só pode ser nomeado caso tenha menos de 65 anos, não podendo exercer o cargo para lá dos 70 anos (cada mandato é de cinco anos). França quer mudar essa regra de forma a estender a passadeira para que Georgieva, que tem 65 anos, possa emergir como uma solução de compromisso para substituir Christine Lagarde em Washington. 

Foi o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, quem introduziu essa possibilidade nos encontros informais à margem do G-7 da semana passada, de acordo com três fontes europeias citadas pelo FT. Caso a retirada do limite de idade reúna o apoio dos países europeus, a votação para alterar essa regra pode acontecer já esta semana no comité executivo do Fundo. 

O processo de seleção do novo diretor-geral do FMI começou na semana passada quando Christine Lagarde anunciou oficialmente a sua saída, marcada para 12 de setembro, dia em que deverá ser ouvida no Parlamento Europeu, um dos passos necessários para que se torne a próxima presidente do Banco Central Europeu (BCE). O Fundo fica assim com menos de dois meses para nomear um novo líder.

Até ao final deste mês, os líderes europeus pretendem chegar a um consenso sobre quem vão escolher para a liderança do FMI que, dado o historial e o acordo informal com os EUA (que ficam com o Banco Mundial), é da responsabilidade da União Europeia. De acordo com o FT, é praticamente certo que tanto Jeroen Dijsselbloem como Mark Carney estão fora da corrida, tal como noticiado na semana passada

Kristalina Georgieva tem experiência internacional no Banco Mundial e esteve durante seis anos como comissária europeia, tendo gerido as pastas de cooperação internacional. Contudo, tem pouca experiência em economia, nomeadamente em mercados financeiros e nas políticas de estabilização macroeconómica, duas áreas fundamentais no trabalho realizado no FMI.

A favor tem a sua imagem, que está afastada da receita de austeridade expansionista pela qual o Fundo foi duramente criticado durante a última crise assim como a Comissão Europeia, o Eurogrupo e alguns ministros das Finanças da União Europeia.

Quanto a Mário Centeno, o nome do ministro das Finanças continua em cima da mesa, mas esse cargo não é um objetivo para o Governo português, segundo o primeiro-ministro. "Sei também que não era um objetivo de vida pessoal [de Centeno]", revelou António Costa na semana passada. Já o comentador político Luís Marques Mendes disse ontem que "há uma probabilidade séria de Centeno ir mesmo para o FMI". 

Na corrida estão também, segundo a imprensa internacional, o governador do Banco da Finlândia, Olli Rehn, e a ministra das Finanças espanhola, Nadia Calviño. O nome do socialista francês Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos, também já foi referido como potencial candidato.
Ver comentários
Saber mais Kristalina Georgieva França Fundo Monetário Internacional FMI Christine Lagarde
Mais lidas
Outras Notícias