Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PJ vigiou jantar de Vieira e ex-juiz Rui Rangel no estádio da Luz

O encontro aconteceu poucos dias após o líder do Benfica dizer que era preciso “apertar com o Rangel” para resolver um processo fiscal em Sintra. Vieira está acusado de oferta indevida de vantagem na operação Lex.

Apesar dos maus resultados desportivos nas últimas jornadas, a SAD liderada por Luís Filipe Vieira acredita no sucesso da emissão obrigacionista.
Miguel A. Lopes/Lusa
Negócios jng@negocios.pt 22 de Fevereiro de 2021 às 10:27
  • Assine já 1€/1 mês
  • 6
  • ...

Menos de uma semana depois de Luís Filipe Vieira ter desabafado ao telefone com o advogado Jorge Barroso que iria "apertar com o Rangel" para ver se ele resolvia um processo fiscal pendente em Sintra, o presidente do Benfica jantou a 23 de maio de 2017 com o ex-juiz Rui Rangel.

 

Segundo noticia o CM, a Polícia Judiciária soube do encontro através de interceções telefónicas e montou uma operação de vigilância em vários pontos da cidade de Lisboa. No restaurante 3º Anel, no Estádio da Luz, os inspetores fizeram-se passar por clientes e fotografaram o encontro, cujas imagens constam num apenso do processo da Operação Lex, que investiga um alegado esquema de corrupção para viciar a distribuição de recursos na Relação de Lisboa.

 

Luís Filipe Vieira está acusado de oferta indevida de vantagem por ter oferecido bilhetes e viagens a Rui Rangel, entretanto expulso da magistratura. Em troca, diz o Ministério Público, pretendia a ajuda para resolver aquele processo fiscal. "Vem sempre ao meu pensamento Sintra, Sintra. Quando resolvemos?", lê-se numa mensagem enviada por Vieira ao então magistrado.

 

Além do presidente do Benfica e de José Veiga, empresário ligado ao futebol, na operação Lex foram acusadas outras 15 pessoas, entre as quais o antigo presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, o juiz Luis Vaz das Neves, e o oficial de justiça daquele tribunal, Octávio Correia, e a sua mulher.

 

O juiz Rui Rangel está acusado de corrupção passiva para ato ilícito, abuso de poder, recebimento indevido de vantagem, usurpação de funções, fraude fiscal e falsificação de documento. Para garantia do pagamento das vantagens obtidas pelos acusados, num montante superior a 1,5 milhões de euros, o Ministério Público requereu o arresto do património dos arguidos.

Ver comentários
Saber mais justiça rui rangel luís filipe vieira benfica polícia judiciária corrupção sintra fisco
Outras Notícias