Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

BCE de mãos atadas para combater boom imobiliário, alerta especialista

O Banco Central Europeu quer saber de que forma as instituições financeiras estão preparadas para lidar com choques financeiros e económicos resultantes das alterações climáticas.
Kai Pfaffenbach/Reuters
  • Partilhar artigo
  • 10
  • ...

O Banco Central Europeu (BCE) está de mãos atadas, já que as suas ferramentas de política monetária parecem ser insuficientes para lidar com o boom dos preços do imobiliário, alerta John Muellbauer, professor da Universidade de Oxford no estudo "Real estate booms and busts: Implications for monetary and macroprudential policy in Europe", divulgado no âmbito do fórum do BCE que continua a decorrer esta quarta-feira em Sintra.

O estudo conclui que o BCE tem pouca margem para "remar contra a maré", devido ao ambiente heterogéneo entre os 19 Estados-membros, pelo que apela a uma mudança nos modelos aplicados pelo Conselho de Política Monetária liderado pela presidente Christine Lagarde.

Para o especialista, existe uma relação direta entre os mecanismos de transmissão de política monetária e os preços de compra e arrendamento de imóveis, fenómeno que, por sua vez, apresenta sinais sobre a saúde económica de um país.

O documento frisa que as crises financeiras são frequentemente precedidas por um alívio dos padrões de concessão de crédito e o consequente aumento de empréstimos, bem como o aumento dos empréstimos, acompanhados do disparar dos preços do imobiliário.

E no epicentro de uma crise de imobiliário está uma crise bancária. "Existe uma ligação importante entre as condições de crédito e os NPL (sigla inglesa para créditos não produtivos, ou seja, crédito malparado). Os NPL são componentes importantes nos ciclos e crédito [e consequentemente] nas crises bancárias", explica John Muellbauer.

Os créditos não produtivos representam um problema para os bancos por diversas razões. Por um lado, a instituição que concedeu o empréstimo pode perder parte ou a totalidade dos fundos que emprestou e deixa de ter o ganho esperado com a cobrança de juros e comissões.

"Este é um bom 'paper'. É preciso saber calibrar a política monetária em momentos de tranquilidade e momentos mais agitados [para o mercado]", comentou Giovanni Dell’Ariccia, durante o fórum.

O diretor adjunto do departamento de "research" do Fundo Monetário Internacional fez ainda questão de distinguir entre o que classificou de "bom" e "mau" boom do imobiliário, apontando como "um bom critério" o crescimento ou abrandamento do emprego em vários setores, desde construção às "utilities" entre estes dois fenómenos.

Ver comentários
Saber mais Implications BCE John Muellbauer Banco Central Europeu Europe Real estate economia negócios e finanças macroeconomia política serviços financeiros finanças (geral) serviços financeiros finanças (geral) banca banco central finanças (geral) banca banco central banco central conjuntura mercado de dívida mercado financeiro
Outras Notícias