Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Fed volta à carga e avança com QE ilimitado para amparar economia dos EUA

Na sua segunda ronda de estímulos económicos, a Reserva Federal dos Estados Unidos anunciou um pacote ilimitado de compras de dívida governamental e corporativa. Este novo apoio não tem qualquer prazo de duração nem de volume.

Reuters
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 23 de Março de 2020 às 12:39
  • Assine já 1€/1 mês
  • 8
  • ...
A Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed) anunciou um novo pacote de estímulos à maior economia do mundo nesta segunda-feira, dia 23 de março, ao avançar com um pacote de compra de dívida soberana e corporativa ilimitada para conter o impacto económico do coronavírus. 

"Devem ser tomados esforços agressivos nos setores público e privado para limitar as perdas de emprego e promover uma rápida recuperação quando esta interrupção terminar", pode ler-se no comunicado divulgado hoje pelo banco central, que adiantou que o banco central "irá usar todas as ferramentas para dar apoio ao fluxo de crédito para as famílias e empresas norte-americanas". 

Na semana passada, Jerome Powell, presidente do banco central disse que iria comprar pelo menos 500 mil milhões de dólares em juros do Tesouro norte-americano e 200 mil milhões em dívida de empresas, o chamado programa de Quantitativa Easing (QE). Para além disso, a Fed anunciou ainda um novo corte de 100 pontos base nos juros diretores para um intervalo de entre 0% e 0,25%. 

Agora, com este novo programa que inclui apoios a empresas, famílias e governos locais, a instituição garante que não vai olhar a números e garante comprar títulos de dívida "no valor necessário para apoiar o bom funcionamento do mercado". Powell abre assim um novo capítulo no livro dos estímulos monetários com a flexibilização total do valor a gastar para suportar a economia local. 

Para já, o único montante estabelecido estará incluído num programa conjunto avaliado em 300 mil milhões de dólares no total para suportar a fluidez do crédito a consumidores e empresas norte-americanas. Dentro deste mega pacote estão incluídos 30 mil milhões de dólares garantidos pelo Departamento do Tesouro, através do Exchange Stabilization Fund (ESF). 

Para isso a Fed anuncia duas unidades que darão suporte à flexibilização do crédito para grande empregadores. A Primary Market Corporate Credit Facility (PMCCF) para novas emissões de dívida e a Secondary Market Corporate Credit Facility (SMCCF) para fornecer liquidez às obrigações corporativas atualmente em circulação. A estes dois mecanismos junta-se um terceiro, o Term Asset-Backed Securities Loan Facility (TALF) para suportar o direcionamento do crédito para consumidores e empresas. 


Os mercados reagiram de imediato a este anúncio da Fed. Na Europa, as quedas foram aliviadas e os futuros dos índices em Wall Street reverteram para valorizações.

Os bancos centrais em todo o mundo têm feito um esforço para tentar conter o impacto económico que a covid-19 está a ter no seio das empresas e das famílias. O Banco Central Europeu (BCE) anunciou, na semana passada, um cheque de 750 mil milhões de euros em estímulos, numa altura em que o receio de uma recessão económica a nível global volta a bater à porta.

Todos os maiores bancos de Wall Street apontam para que esse cenário aconteça nos Estados Unidos, a maior economia do mundo. Os economistas do Morgan Stanley são os mais pessimistas e estão a antecipar uma queda de 30% no PIB (produto interno bruto) norte-americano para o segundo trimestre desde ano. O Goldman Sachs anteviu uma queda de 24% do PIB entre abril e junho deste ano e apontou para uma queda de 1% da economia norte-americana para o final do ano. 


(Notícia atualizada às 13:33)
                                            
Ver comentários
Saber mais Fed QE EUA Reserva Federal dos Estados Unidos economia negócios e finanças macroeconomia economia (geral) coronavírus
Mais lidas
Outras Notícias