Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Governadores do BCE atacam plano de compra de ativos de Draghi

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, provocou uma forte divisão no seio da instituição. Parte dos governadores dizem que o regresso do "quantitative easing" (QE) foi um erro. 

Reuters
Negócios com Bloomberg 13 de Setembro de 2019 às 18:54
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...
Apesar do anúncio de um mega pacote de estímulos monetários lançado sobre a economia da região pelo Banco Central Europeu, foram muitas as vozes dissonantes que se opuseram a várias medidas inscritas no plano de Mario Draghi.

Grande parte das críticas referiu-se ao regresso do QE ("quantitative easing", programa de compra de ativos), e para lá dos habituais opositores como a Alemanha ou a Holanda, que já tinham estado contra a sua introdução em 2015, também o governador do banco central da Áustria, Robert Holzmann, disse que foi possivelmente um erro.

Klass Knot, líder do banco da Holanda, que anteriormente já se tinha mostrado contra a postura "dovish" de Draghi, voltou a fazê-lo e argumentou que o BCE agiu de forma desproporcionada. Outro crítico das medidas impostas foi Jens Weidmann, que já tinha vindo a púbico rejeitar a necessidade de estímulos na região. O líder do Bundesbank considerou esta sexta-feira que o BCE está a sair "para fora de pé" com esta decisão de reiniciar o programa de compra de ativos.

As críticas dos países do centro da Europa à política monetária do BCE não partiu apenas dos governadores destes países. O ministro das Finanças da Holanda acusou o banco central de estar a penalizar as pensões do país e o jornal Bild, da Alemanha, comparou o italiano ao conde Drácula, por considerar que o presidente do BCE está a sugar as poupanças dos alemães. Em declarações ao tablóide, Weidmann assegurou que vai assegurar que o ciclo de subidas de juros não será adiado. 


O governador da Áustria, que entrou no Conselho do BCE este mês, acredita que Lagarde pode emendar o curso da política monetária. A anterior líder do FMI "não é uma pessoa fraca que fique presa" ao que está a ser implementado, atirou Holzmann, que confirmou que vários membros do banco central divergiram sobre a eficácia do novo pacote de estímulos.

O líder do banco central da Holanda emitiu mesmo um comunicado onde explica porque não concorda com o que foi decidido na reunião do BCE. Knot mostra-se preocupado com a escassez de ativos de baixo risco e com a excessiva assunção de risco no mercado imobiliário. O baixo nível de inflação "é preocupante, mas não implica que o reinício de um programa de longo alcance como o QE será o instrumento mais apropriado". 

A reunião de quinta-feira foi um teste difícil para Mario Draghi - que vai abandonar o cargo no dia 31 de outubro - uma vez que tinha como principais opositores França e Alemanha, as duas maiores economias da Zona Euro. 

O aumento de tom nas críticas por parte dos decisores políticos fez aumentar as dúvidas sobre a eficácia dos estímulos impostos, bem como a preocupação com os efeitos colaterais que podem causar. Oli Rehn, governador do banco da Finlândia, veio a público apelar à "união" no seio do BCE.

"É sempre melhor evitar divisão excessiva, especialmente em público", disse Rehn, à Bloomberg, acrescentando que "temos debates normais dentro do Conselho do BCE e é importante que mantenhamos a unidade nas aparições públicas". 

Segundo a Bloomberg, Draghi enfrentou uma "revolta sem precedentes" na reunião devido à decisão de reiniciar o programa. A Weidmann e Knot, que era expectável que se mostrassem contra, juntou-se o francês Villeroy de Galhau. 

O Banco Central Europeu (BCE) decidiu baixar a taxa de juro de depósitos para território ainda mais negativo (passou de -0,40% para -0,50%), como reação ao abrandamento económico da Zona Euro e à manutenção de níveis de inflação persistentemente demasiado baixos. Além disso, avançou para a abertura de um novo programa de compra de ativos, mas de dimensão contida.

O programa de compra de ativos vai começar a 1 de novembro, já com Lagarde à frente do banco central, e terá uma dimensão líquida de 20 mil milhões de euros por mês. 
Ver comentários
Saber mais BCE Mario Draghi Governadores QE estímulos compra de ativos taxas de juro
Mais lidas
Outras Notícias