Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Marcelo: Paulo Núncio "vale zero em termos de autoridade política"

O comentador e ex-líder do PSD não poupa o secretário de Estado do Fisco sobre o caso da lista VIP. Diz ainda que a ministra das Finanças revelou a sua inexperiência política ao falar de um cofre cheio e revela que no PSD "há muito boa gente" que pensa que ministros ou secretários de Estado do governo de Sócrates ainda podem vir a ser constituídos arguidos.

Negócios 23 de Março de 2015 às 10:23
  • Assine já 1€/1 mês
  • 47
  • ...

O Secretário de Estado do Fisco Paulo Núncio até pode ficar no Governo, mas a sua autoridade política desapareceu com o caso da lista VIP do Fisco, considera Marcelo Rebelo de Sousa, comentador político e ex-líder do PSD que, no seu programa de comentário político semanal, não poupa o político centrista, dizendo ser incompreensível que diga que não sabia de nada sobre o tema.

 

Em causa está a existência de uma polémica lista de nomes cuja situação fiscal, se consultada por alguém de dentro da máquina do Fisco, resultaria na emissão de um alerta, com o objectivo de desincentivar a devassa da vida fiscal de notáveis, no que pode constituir uma diferenciação de tratamento do sigilo fiscal entre contribuintes. O caso ganhou importância política depois de terem sido instaurados processo disciplinares por pesquisa da situação fiscal do primeiro-ministro e por tanto ele, como o secretário de Estado, terem negado a existência de tal lista que, afinal, pelo menos em testes existiria.

 

Perante o episódio e as justificações dadas pelo Governo e pelo próprio nos últimos dias, o diagnóstico para o ex-líder do PSD é claro: "O Secretário de Estado já ficou sem autoridade (…) Pode ficar no Governo, [mas] vale zero em termos de autoridade política sobre os seus serviços", atirou.

 

"É impensável que a máquina fiscal possa tomar iniciativas à margem de quem tem competência para isso, que é o poder político", afirmou Rebelo de Sousa, para logo de seguida acrescentar que "quando se elege alguém para governar é realmente para mandar naquilo que governa, e saber o que se passa lá não é para haver autogestão".

 

"Ficamos com impressão que em matéria fiscal há autogestão e o que o Secretário de Estado fica feliz por dizer que não sabia de nada. Mas devia saber. O Governo devia saber. E devia esclarecer os portugueses, explicando qual é o sistema que foi adoptado e porquê", continuou, defendendo que o Executivo deveria explicar qual o critério de escolha dos contribuintes que é adoptado nos mecanismos de fiscalização, quais as garantias que são dadas ao cidadão comum e quem tem poder discricionários dentro da máquina fiscal.

 

Maria Luis só com dois anos de política já quer chegar a Coronel

A equipa das Finanças teve uma semana negativa, pelo menos para o comentador da TVI, e possível candidato às presidenciais em 2016. Maria Luis Albuquerque não escapou às críticas: em causa a declaração de que o País está de "cofres cheios", o que Marcelo atribuiu à falta de experiência política da ministra das Finanças que, diz, tem apenas dois anos de política, mas já quer chegar a Coronel. "Só em Portugal".

 

Quando se referiu ao País com os "cofres cheios" a ministra quis sublinhar que "nós tínhamos a dívida caríssima e agora estamos a contrair dívida baratíssima, e [por isso] estamos com uma almofada de segurança que não existia no tempo em que não conseguíamos ir aos mercados", diz o comentador, no que entende ser uma situação favorável para o país. A escolha das palavras é que foi errada, analisou: "Se ela dissesse um pé-de-meia….mas um cofre.... faz lembrar o tio Patinhas". E isso, continuou, deixou as pessoas "com os nervos em franja… [se os cofres estão cheio] podes dar aqui um pouco ao bolso do Zé Povinho", pensaram, interpretou o comentador.

 

Para Marcelo Rebelo de Sousa a frase é um sintoma da falta de experiência política de Maria Luis Albuquerque, que "ainda só tem dois anos de política", mas já aspira a voos mais altos. "Só em Portugal é que as pessoas com dois anos de política querem chegar a General ou a Brigadeiro, ou Marechal. Normalmente não se vai" assim tão depressa. O erro é, por isso, uma boa forma de aprendizagem: "é [com erros] e aprendendo que ela pode vir a ter um percurso político à altura das suas ambições e do percurso que merece ter", afirmou o comentador.

 

Mais membros do governo Sócrates como arguidos?

Marcelo Rebelou de Sousa guardou ainda tempo para comentar as implicações do caso Sócrates na luta política entre PSD e PS, defendendo que Sócrates dentro de grades é uma situação favorável a António Costa, e que o caso ainda pode dar muito que falar pois, pelo menos dentro do PSD, há quem pense ser possível que mais ex-membros do Executivo de Sócrates poderão vir a ser constituídos arguidos. Se tal acontecer até ao Verão, o PSD pode aproveitar. Se acontecer perto das eleições, é até o PS que pode sair a ganhar, defendeu.

 

"Para o PS é bom José Sócrates continuar preso (…) Imagine que ele saía: passava a ser o tema de campanha eleitoral. A campanha eleitoral já não era entre [António] Costa e Passos Coelho, mas entre Sócrates e Passos Coelho - e Costa passava a segundo plano", afirmou no comentário dominical, para depois destacar que não está fora de hipótese que surjam mais arguidos - pelo menos essa é uma possibilidade admitida no PSD, revelou.

 

Por um lado, numa "entrevista muito interessante de Marco António Costa", o responsável nacional do PSD, afirmou que "o caso Sócrates pode ter desenvolvimentos". Por outro, dirigentes locais do partido dizem o mesmo ao ex-líder, que resume assim: "No PSD há muito boa gente que pensa (…) que poderão haver outros [ex-membros do Governo de José Sócrates] a ser constituídos arguidos. Se um ex-ministro, um ex-secretário de Estado, dois ex-secretários de Estado forem constituídos arguidos, então o PSD passa a ter um palco de campanha política para dizer que isto já não é o homem, é a governação, é governação PS".

 

Este cenário seria desfavorável ao PS, mas apenas se acontecer até ao Verão, continuou: "Que é desfavorável ao PS é…. a menos que seja em vésperas de eleições. Se [tal acontecer] até ao Verão é muito mau para o PS; se for na ponta final [antes das eleições que deverão ocorrer em Outubro], não, porque ninguém tirará da cabeça dos portugueses que houve uma gestão política do processo", afirmou.

Ver comentários
Saber mais Secretário de Estado do Fisco Paulo Núncio Governo Marcelo Rebelo do Sousa Maria Luis Albuquerque Executivo de Sócrates António Costa José Sócrates Passos Coelho Marco António Costal Lista VIP
Mais lidas
Outras Notícias