Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Parlamento quer voltar a ouvir Constâncio sobre crédito a Berardo

Os sociais-democratas querem dar a Constâncio a oportunidade de "refrescar a memória" e vão entregar um pedido com vista a uma nova audição de Vítor Constâncio no Parlamento. Bloco e PCP também querem voltar a ouvir o antigo governado do BdP.

António Cotrim/Lusa
David Santiago dsantiago@negocios.pt 07 de Junho de 2019 às 12:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O PSD espera que o regresso de Vítor Constâncio ao Parlamento lhe permita "refrescar a memória" e, nesse sentido, vai requerer uma nova audição ao ex-governador. Também o Bloco de Esquerda e o PCP anunciaram que querem voltar a ouvir o ex-governador do Banco de Portugal.

Em declarações à TSF, o deputado social-democrata Duarte Pacheco disse não ter dúvidas de que Constâncio mentiu aquando da primeira audição no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos.

Adiantou ainda que irá entregar, ainda esta sexta-feira, 7 de junho, nos serviços da Assembleia da República um pedido para a realização de nova audição ao ex-vice-presidente do Banco Central Europeu.

"Não temos qualquer dúvida que o dr Vítor Constâncio não disse a verdade na primeira comissão de inquérito. Queremos dar-lhe oportunidade para poder refrescar a memória e dizer a verdade ao Parlamento e ao país", disse o deputado.

Entretanto, durante o debate parlamentar sobre a reforma da supervisão financeira, também o Bloco de Esquerda e o PCP anunciaram que pretendem fazer regressar Constâncio ao Parlamento.

Citada pela Lusa, a deputada bloquista Mariana Mortágua defendeu que a notícia avançada pelo Público mostra que era "quase impossível" Constâncio e o BdP não tivessem "conhecimento antecipado" do crédito concedido pelo banco público a Berardo.

"Vítor Constâncio tem de voltar à comissão de inquérito e explicar porque mentiu quando disse que era impossível ter conhecimento antecipado e porque disse não se lembrar de uma operação tão importante como a concessão de crédito de 350 milhões de euros a Joe Berardo para controlar o BCP."

Também o deputado comunista Duarte Alves sustentou que a ser verdade aquilo que é relatado pelo Público, então o que Vítor Constâncio disse na comissão de inquérito "não corresponde à verdade". Como tal, o PCP vai "pedir desde já ao BdP todas as atas do conselho de administração em que haja referência a operações deste género, em que um banco empresta para compra de ações de outro banco, e uma nova audição ao dr Vítor Constâncio".

Estas declarações surgem depois de o Público ter noticiado esta sexta-feira que Vítor Constâncio omitiu, no Parlamento, que, em 2007, quando era ainda governador do Banco de Portugal, autorizou Joe Berardo a levantar 350 milhões de euros junto da CGD para comprar ações do BCP.

"No dia 21 de agosto, em plena guerra de poder pelo controlo do BCP, o conselho de administração do Banco de Portugal, chefiado por Vítor Constâncio, reuniu-se com um ponto de agenda: autorizar aquela que se viria a revelar, tempos depois, uma das mais ruinosas e questionadas operações de crédito concedidas nos últimos anos pela banca portuguesa", relata o Público. 

Quando esteve no Parlamento, a 28 de março, o também antigo líder do PS garantia que o BdP não teve qualquer conhecimento do crédito concedido pela CGD a Berardo para adquirir ações do BCP desde logo por "ser impossível" ter acesso a essa informação.

Ver comentários
Saber mais Parlamento Vítor Constâncio PSD PCP Bloco de Esquerda Duarte Pacheco Joe Berardo Caixa Geral de Depósitos Comissão Parlamentar de Inquérito Duarte Alves Mariana Mortágua
Mais lidas
Outras Notícias