Saúde Pfizer põe fim à fusão com a Allergan

Pfizer põe fim à fusão com a Allergan

O negócio entre as duas empresas terá ficado pelo caminho depois de, no início da semana, a administração Obama ter reforçado os mecanismos contra a mudança de domicílio relacionada com tratamento fiscal mais favorável.
A carregar o vídeo ...
Paulo Zacarias Gomes 06 de abril de 2016 às 07:58

A farmacêutica Pfizer pôs fim oficialmente à oferta de fusão de 160 mil milhões de dólares (141 mil milhões de euros) com a Allergan, disse fonte próxima do processo à Bloomberg. Também a CNBC refere que a operação não se concretizará.

Ainda não há confirmação oficial, por parte da companhia, do fim do negócio.


A aproximação entre as duas empresas do sector da saúde ficou pelo caminho depois de os EUA terem aprovado novas regras que limitam a deslocação da sede fiscal de companhias por via da compra de outras empresas, desde que as empresas envolvidas na operação tenham estado envolvidas em negócios do mesmo género nos últimos três anos.

De acordo com aquela agência noticiosa, a Pfizer terá agora de pagar cerca de 350 milhões de euros por despesas realizadas com a operação gorada. Com a compra, a Pfizer poderia ter acesso a tratamento fiscal mais favorável, uma vez que a Allergan tem sede em Dublin, na Irlanda.

Contudo, a administração Obama propôs, na segunda-feira passada, agravar o lote de medidas destinadas a evitar a fuga de empresas do país por motivos fiscais, ao incorporar efeitos retroactivos nos casos em que as aquisições com esse fim tenham sido feitas nos últimos três anos. Um período que coincidiu com o envolvimento da Allergan em operações semelhantes.


Nos últimos 34 anos, 53 empresas norte-americanas deixaram de tributar nos EUA através de processos desta natureza. De acordo com a Bloomberg, só nos últimos quatro anos foram 22 companhias a adoptar a estratégia que evita impostos de 35% sobre a actividade das empresas.


Há cerca de ano e meio, uma outra oferta – a da AbbVie pela Shire Plc – também ficou pelo caminho depois de alterações de última hora levadas a cabo pela administração fiscal norte-americana tendentes a dificultar a alteração de domicílio relacionada com a redução de impostos.

Os papéis da Pfizer fecharam a sessão desta terça-feira a avançar 2,15% para os 31,38 dólares, enquanto as acções ordinárias da Allergan afundaram 14,96% para 236,06 dólares, já na perspectiva de o negócio vir a ser dificultado pela nova legislação.

(terceiro e quinto parágrafos rectificados às 9:38, com alteração da referência ao prazo para os "últimos três anos")

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI