Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Jorge Tomé: Berardo não queria que Caixa vendesse ações do BCP

O antigo administrador da CGD garante que o que Joe Berardo disse na comissão de inquérito "foi tudo conversa" e que o comendador não queria que a Caixa vendesse os títulos do BCP mais cedo.

Lusa
Rita Atalaia ritaatalaia@negocios.pt 07 de Junho de 2019 às 19:14
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Jorge Tomé, ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD), garante que o comendador Joe Berardo não queria que o banco estatal vendesse as ações do BCP mais cedo para se evitar o agravamento das perdas. Para o gestor, "foi tudo conversa" do empresário madeirense na comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa. 

 

"O que Berardo disse aqui foi tudo conversa. O mutuário não queria vender" as ações, defende Jorge Tomé perante os deputados. E, de acordo com o gestor, esta venda não era possível. 

 

"A execução tornou-se absolutamente impraticável", afirma o ex-administrador da CGD, isto porque não havia condições para esta execução, nem liquidez suficiente no mercado. 

 

A garantia obtida através do acordo entre Berardo e os bancos – de ficarem com 75% dos títulos da Associação Coleção Berardo – acabou por "ser a melhor garantia que os bancos podiam ter" naquela altura. Isto porque a "arte tem um efeito contrário às outras classes de ativos". Ou seja, quando, por exemplo, as ações recuam, a arte tende a valorizar, e vice versa. 

 

Na sua audição, o empresário madeirense recordou que os contratos de crédito tinham limites e que o banco deveria vender quando baixassem de determinado nível. Mas que foram as instituições financeiras que não cumpriram o mandato. Ou seja, que não venderam as ações do BCP dadas como garantia. "Por isso é que fiz a exigência nos meus contratos que a cobertura era de 105% e se descesse para 100% teriam que vender". 

 

O empréstimo de 350 milhões concedido pela CGD a Berardo acabou por ser um dos mais ruinosos para o banco estatal. Além da Caixa, também o Novo Banco e o BCP avançaram com um processo em tribunal para tentarem recuperar as perdas provocadas pelos créditos do comendador.

Ver comentários
Saber mais banca CGD comissão parlamentar de inquérito Jorge Tomé Joe Berardo
Mais lidas
Outras Notícias