Imobiliário Casas em Lisboa são 20 vezes mais caras do que na Pampilhosa da Serra

Casas em Lisboa são 20 vezes mais caras do que na Pampilhosa da Serra

A diferença de preços das casas entre Lisboa e Pampilhosa da Serra supera os 2.700 euros por metro quadrado, mostram os dados do INE.
Casas em Lisboa são 20 vezes mais caras do que na Pampilhosa da Serra
Lusa
Raquel Godinho 31 de janeiro de 2019 às 12:28

Lisboa tem as casas mais caras do país. Pampilhosa da Serra tem as mais baratas. A diferença de preços entre os dois municípios supera os 2.700 euros por metro quadrados. No terceiro trimestre do ano passado, os imóveis da capital tinham preços 20 vezes superiores aos da vila da Beira Baixa.

No "ranking" dos municípios nacionais, Lisboa volta a destacar-se com o preço mediano de venda de casas mais elevado: 2.877 euros por metro quadrado. Cascais e Oeiras ocupam a segunda e terceira posições, com preços de 2.167 euros por metro quadrado e 1.878 euros por metro quadrado, respetivamente.

Nas posições opostas surgem os municípios de Pampilhosa da Serra, Freixo de Espada à Cinta e Figueira de Castelo de Rodrigo com os preços de venda mais baixos, a nível nacional, de 130 euros por metro quadrado, 134 euros por metro quadrado e 171 euros por metro quadrado, respetivamente.

Deste modo, a diferença entre Lisboa e Pampilhosa da Serra é de 2.747 euros por metro quadrado. Ou seja, se quiser comprar um imóvel em Lisboa, terá que pagar 20 vezes mais do que teria que pagar na Pampilhosa da Serra.


"No terceiro trimestre de 2018 (últimos 12 meses), 42 municípios, localizados maioritariamente no Algarve e na Área Metropolitana de Lisboa, apresentaram um preço mediano de venda de habitação superior ao valor nacional", acrescenta o INE. Além de Lisboa, Cascais e Oeiras, também Loulé, Lagos, Albufeira, Tavira e Porto têm preços medianos de venda superiores a 1.500 euros por metro quadrado.


A nível nacional, o preço mediano de venda atingiu os 984 euros por metro quadrado, no terceiro trimestre de 2018, o que representa um aumento de 1,5% face ao trimestre anterior e de 7,9% face ao período homólogo. Estas variações foram inferiores às registadas no segundo trimestre, quando o aumento em cadeia foi de 2% e a subida homóloga de 8,15%.


Entre as cidades com mais de 100 mil habitantes, Lisboa destacou-se por apresentar o preço mediano de venda mais elevado (2.877 euros por metro quadrado) e também o maior crescimento face ao período homólogo (24,3%). "Face ao período homólogo, todas as cidades com mais de 100 mil habitantes registaram uma subida dos preços da habitação, destacando-se as cidades do Porto e Braga, únicas cidades onde a taxa de variação homóloga diminuiu relativamente à registada no segundo trimestre de 2018", acrescenta o INE.


Os maiores aumentos homólogos aconteceram em Lisboa (24,3%), Porto (21,6%) e Amadora (17,2%), enquanto Coimbra registou o menor crescimento (5,8%) face ao terceiro trimestre de 2017.


"Nas cidades de Lisboa, Porto, Funchal, Coimbra e Amadora, o preço de venda de alojamentos manteve-se acima do valor do país. As cidades de Vila Nova de Gaia (925 euros por metro quadrado) e Braga (753 euros por metro quadrado) mantiveram, tal como em trimestres anteriores, preços abaixo do valor nacional", adianta o comunicado do INE.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI