Tecnologias Broadcom retira OPA de 142 mil milhões sobre a Qualcomm após bloqueio de Trump

Broadcom retira OPA de 142 mil milhões sobre a Qualcomm após bloqueio de Trump

Chegou ao fim a batalha pela compra da Qualcomm, com um desfecho expectável depois de o presidente dos Estados Unidos ter chumbado a operação.
Broadcom retira OPA de 142 mil milhões sobre a Qualcomm após bloqueio de Trump

A Broadcom retirou a oferta pública de aquisição sobre a Qualcomm, colocando um ponto final já esperado numa batalha pelo controlo da fabricante de "chips" norte-americana.

 

Este era o desfecho antecipado depois de Donald Trump ter bloqueado a operação, citando razões de "segurança nacional" dos EUA.

 

"Apesar de estarmos decepcionados com este resultado, a Broadcom vai actuar de acordo com a ordem", refere o comunicado da empresa sedeada em Singapura, que tinha colocado 142 mil milhões de dólares em cima da mesa para comprar a Qualcomm.

 

Em inícios de Fevereiro, a Qualcomm tinha também rejeitado, pela segunda vez, a oferta de aquisição da Broadcom, que nessa altura já tinha sido melhorada em 17%.

 

Apesar destas "negas", a Broadcom nunca desistiu da fusão com a sua rival, uma operação que criaria uma das maiores empresas na área dos microprocessadores e que constituiria a maior aquisição na história deste sector. Mas a empresa viu agora a sua proposta recusada em instâncias mais altas.

 

Fica, pois, afastada a criação deste novo gigante do sector tecnológico, com forte presença no fabrico de várias das componentes para telefones, servidores e outros dispositivos electrónicos.

 

No ranking das fabricantes mundiais de "chips", a empresa resultante desta fusão surgiria em terceiro lugar, atrás da Intel e da Samsung Electronics, embora estas duas estejam mais focadas nos microprocessadores para computadores e a Qualcomm para "smartphones", onde é líder de mercado.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub