Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Web Summit arranca com fábricas de unicórnios, NFT e chamadas de atenção ao Facebook

A conferência de empreendedorismo e tecnologia regressou ao modelo presencial, após uma edição totalmente digital. A cerimónia de abertura fica marcada pelos apelos do ministro da Economia para que olhem para Portugal como um “país para investir” e pela denunciante do Facebook.

Frances Haugen, denunciante do Facebook, na abertura da conferência com Paddy Cosgrave. Web Summit
Cátia Rocha catiarocha@negocios.pt 01 de Novembro de 2021 às 21:47
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
O Parque das Nações, em Lisboa, volta a receber startups, empreendedores e investidores para a conferência criada em Dublin, na Irlanda, e que desde 2016 assentou arraiais na capital portuguesa. Paddy Cosgrave voltou a frisar algo que já havia dito na conferência de imprensa de apresentação do evento, em setembro, quando disse que no início do ano "não havia certezas" sobre se o a conferência voltaria a ser presencial.

Em alguns meses, a situação mudou e a Web Summit abre as portas para receber 40 mil pessoas até à próxima quinta-feira - com certificados de vacinação e máscaras obrigatórias. O arranque do evento fica marcado pela promessa de Carlos Moedas para uma fábrica de startups em Lisboa e ainda pelos "recados" deixados pela denunciante do Facebook à tecnológica norte-americana.

Carlos Moedas, o "presidente da inovação"
O outrora Comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação discursou na Web Summit num novo papel, agora de presidente da Câmara Municipal de Lisboa. E, numa intervenção em que até recordou Steve Jobs, apelou à atenção aos detalhes.

"É preciso acertar com os detalhes. Acho que a coisa boa é que, na Web Summit, este é o sítio onde as pessoas acertam os detalhes", afirmou Moedas.

Moedas falou em sonho e deixou já uma promessa para 2022. "Prometo que no próximo ano iremos fundar, com a ajuda da Web Summit e de muitos de vocês, o que eu chamo de sonho - a Fábrica de Unicórnios de Lisboa", assegurou o agora presidente de Lisboa na cerimónia de abertura.

Portugal é um "país para investir", garantiu Siza Vieira
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, garantiu que, apesar de a pandemia ter tido um impacto em vários aspetos, inclusivamente na economia, Portugal "não ficou parado" no que diz respeito aos temas da transição climática e transição digital.

O governante salientou que espera que quem saia da conferência possa partilhar que Portugal é um "país para viver e investir" e para fazer negócio" de uma forma que é "aberta, tolerante e multicultural".

Sorare e o mundo dos NFT
Uma das maiores tendências deste ano, o tema dos NFT (ativos não fungíveis) também teve destaque na cerimónia de arranque da edição deste ano da Web Summit, através da startup Sorare.

Nicolas Julia, o CEO da empresa, esteve presente no palco da conferência para abordar a ligação entre o tema dos ativos digitais e o mundo do futebol. A empresa recebeu este ano um investimento de 680 milhões de dólares para expandir a plataforma.

Em Portugal, a Sorare já colabora com os "três grandes" - Benfica, Sporting e Porto - e espera contar com mais clubes da liga principal, explicou Julia.

Questionado sobre a visão para o futuro, o CEO da startup referiu que "tudo o que tem valor terá, no futuro, um NFT".

Ayo Tometi e o movimento Black Lives Matter
Também houve espaço para abordar como é que a tecnologia tem um papel a desempenhar nos questões sociais na abertura da Web Summit este ano, através da intervenção de Ayo Tometi, co-fundadora do movimento "Black Lives Matter".

"Estamos numa altura em que a tecnologia pode ajudar-nos a fazer a conversa avançar - mas tem de estar baseada em princípios éticos", sublinhou Tometi.

"A tecnologia tem essa oportunidade. Somos a solução, temos uma oportunidade para usar a tecnologia para tornar os nossos esforços mais expeditos. E o tempo é agora."

Denunciante do Facebook garante que empresa está "a insistir nos erros"
Não gosta de ser o centro das atenções, mas era uma das presenças mais aguardadas na Web Summit deste ano, depois de ter revelado documentos internos sobre o negócio do Facebook. Frances Haugen, ex-funcionária da tecnológica norte-americana, responsável pela área dos trabalhos ligados ao combate à desinformação na plataforma, fez a primeira aparição num evento público na Web Summit, em Lisboa.

Haugen referiu que o Facebook está a "insistir nos erros" e a preferir "expandir-se para novas áreas em vez de acertar a aterragem naquilo que já está a fazer". "Em vez de investir para garantir que as plataformas são seguras, prefere investir milhões em jogos", sublinhou, referindo-se ao anúncio de que a empresa pretende mudar de nome para Meta, com o objetivo de focar-se no desenvolvimento do metaverso, um universo digital.

"Acho que o Facebook seria mais forte com alguém que estivesse disposto a focar-se na segurança", concluiu a ex-gestora de produto da rede social, quando questionada sobre se Mark Zuckerberg deveria deixar de ser CEO da tecnológica.
Ver comentários
Saber mais Web Summit conferência Paddy Cosgrave Siza Vieira Carlos Moedas Frances Haugen
Outras Notícias