Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Lisboa 71-3 Porto: Movimento de Rui Moreira ataca a “insultuosa” TAP

O “Porto, o Nosso Movimento”, movimento independente liderado pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, considera "insultuoso" para a região que a TAP "enquanto pede dinheiro público para sobreviver" planeie retomar atividade "com uma desproporção no número de rotas".

41º TAP
Negócios com Lusa 02 de Maio de 2020 às 18:32
  • Assine já 1€/1 mês
  • 31
  • ...

Num comunicado que tem como título "TAP 'regional' com dinheiros públicos não", o "Porto, o Nosso Movimento" sublinha estar ao lado de Rui Moreira na defesa "da região do país que mais contribui para a economia nacional", reagindo assim a uma notícia de sexta-feira do Jornal de Notícias que dá conta de que a TAP vai retomar a atividade - interrompida pela pandemia da covid-19 - com 71 rotas a partir do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e com apenas três com partida do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, na Maia, distrito do Porto.

 

"A TAP é uma empresa semi-pública. Quer isto dizer que, metade do seu capital, resulta do esforço de todos os portugueses com os seus impostos. Para regressar à operação, no âmbito da crise que vivemos, precisa que o Estado aumente a sua participação, entrando com mais dinheiro público para o seu capital ou garantindo dívida com aval soberano. De uma forma ou de outra, usando o que é dos contribuintes", lê-se no comunicado do 'Porto, o Nosso Movimento'.

 

O movimento considera que "a manutenção de uma companhia de bandeira, suportada com dinheiro público, não é uma inevitabilidade", apontando que "foi uma opção do Governo, com o apoio dos partidos à sua esquerda", para concluir: "Como a privatização, mal desenhada, tinha também sido uma opção do Estado".

 

Assim, para o 'Porto, o Nosso Movimento', "socorrer a TAP com dinheiros públicos" agora "pode ser necessário, se Portugal quiser continuar a ter uma companhia de bandeira para fazer serviço público". Contudo, esta associação cívica diz não aceitar que "esse serviço público, sustentado por dinheiros públicos, seja concentrado num único aeroporto, favorecendo uma única região", referindo-se à zona de Lisboa em detrimento do Norte.

 

"Se o Governo e os partidos políticos entendem que uma empresa regional que presta um serviço público de âmbito marcadamente regional deve ser apoiada com dinheiros públicos, deve deixar que sejam os municípios, as Comunidades Intermunicipais ou as Áreas Metropolitanas beneficiadas, com fundos próprios, a apoiarem essa empresa, entrando no seu capital", defendeu o 'Porto, o Nosso Movimento'.

 

O movimento recusa que "aos empresários e cidadãos das restantes regiões do país" paguem "um serviço de que são privados, por decisões não escrutináveis e tomadas por privados no uso de dinheiros públicos" e sublinha que "a retoma da economia, a necessidade que o Norte tem em matéria de viagens de negócios e o potencial que o aeroporto do Porto vinha demonstrando nos últimos anos, a produção industrial que a Região garante ao país, tornam, por isso, inaceitável um programa de retoma da TAP centrado em Lisboa", isto, acrescenta, "em claro abandono da região mais produtiva do país".

 

"Consideramos, por isso, insultuosa para a região, que a TAP, enquanto pede dinheiro público para sobreviver, não consiga esconder que planeia retomar a sua atividade com uma desproporção de 71 para três em número de rotas, podendo a desproporção ser ainda maior quanto ao número de voos", lê-se na nota.

 

Por fim, o movimento, frisando estar ao lado do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, condena um "assalto à região do país que mais contribui para a economia nacional", falando em cidadãos e empresários prejudicados.

"A Associação Cívica Porto, o Nosso Movimento não aceita (...) que os escassos recursos nacionais continuem a ser delapidados em apoios e financiamentos que, mais uma vez, partem de uma visão centralista e autista do país", termina a nota.

 

Também hoje o presidente da Câmara de Viana do Castelo apelou para a intervenção do Governo no sentido de aumentar o número de rotas no aeroporto do Porto, enquanto a presidente da Câmara de Matosinhos disse, à Lusa, na sexta-feira que via com "muita preocupação" a proposta da comissão executiva da TAP em reduzir a operação no aeroporto do Porto a três rotas, ainda que se tenha mostrado confiante que o Governo defenderá a região.

 

Ver comentários
Saber mais tap rotas aviões porto o nosso movimento rui moreira aeroporto francisco sá carneiro humberto delgado
Mais lidas
Outras Notícias