Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Jorge Fonseca de Almeida 19 de Fevereiro de 2019 às 18:20

Sinais dos tempos

Quando vemos uma conhecida empresa americana a abandonar o nosso, e outros países europeus, simultaneamente saudamos a entrada de um concorrente direto chinês. Apesar dos acontecimentos não estarem diretamente ligados entre si, não deixam de ser significativos sinais dos tempos.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Este ano a American Express abandonou a sua parceria com o Millennium bcp e outros bancos portugueses que, assim, deixaram de emitir os conhecidos e prestigiosos cartões Amex. A American Express abandonou na Europa o seu modelo tradicional de negócio, que consistia em acordos de emissão de cartões e aquisição de transações com um ou mais bancos em cada país. A partir de agora a American Express emitirá diretamente os seus cartões restringindo-se aos maiores mercados europeus.

 

Esta decisão encontra a sua justificação na regulamentação da União Europeia que incentiva a concorrência entre emissores de cartões e entre empresas de aquisição de transações.

 

Em contrapartida os cartões UnionPay, os cartões chineses hoje já aceites em 176 países, fizeram um acordo com o Millennium bcp que transformará este banco português na primeira instituição a emitir cartões desta marca na Europa.

 

Assim quando vemos uma conhecida empresa americana a abandonar o nosso, e outros países europeus, simultaneamente saudamos a entrada de um concorrente direto chinês. Apesar dos acontecimentos não estarem diretamente ligados entre si, não deixam de ser significativos sinais dos tempos.

 

Para o consumidor a escolha vai aumentar.

 

Uma economia que pretende proteger-se, fechando-se, e outra que ambiciona crescer, diversificando-se e internacionalizando-se. Estratégias diferentes. Ambas legitimas. O futuro dirá sobre a bondade de cada uma delas.

 

A competição económica global entre os Estados Unidos e a China estende-se hoje a um vasto leque de bens e serviços. A China um país pobre e agrícola em 1949, industrializou-se muito rapidamente e está agora também em força no setor dos serviços, incluindo os serviços financeiros.

 

Um bom exemplo de como um país, seguindo uma política patriótica, pode crescer, modernizar-se, eliminar a pobreza, e, pacificamente e sem bases militares externas, tornar-se um competidor global em poucas décadas. Um exemplo que Governo, partidos, empresas, poderiam com vantagem estudar, divulgar e adaptar à nossa realidade.

 

Economista

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias