Weekend Há sempre inquietação, inquietação. Até Virgolino Faneca surgir para aquietar a dita

Há sempre inquietação, inquietação. Até Virgolino Faneca surgir para aquietar a dita

A análise que se impunha a cinco inquietações capazes de alterar o curso da história de Portugal. Com ela, Virgolino Faneca desbrava o caminho para que se passei em segurança na direcção do futuro.
Há sempre inquietação, inquietação. Até Virgolino Faneca surgir para aquietar a dita
Celso Filipe 02 de março de 2018 às 17:00
Prezado Artur

Caríssimo. Em resposta às inquietações que me expuseste na tua simpática carta relativa a cinco temas que reputas de fracturantes e sobre os quais dizes que poderão alterar o curso da História de Portugal, venho por este meio dar-te a minha interpretação pessoal das mesmas (podia ser impessoal, mas gosto de meter sentimento na coisa), esperando que desta forma possas aquietar o espírito.

Reconheço que os problemas por ti identificados são de monta, mas julgo que se juntarmos forças seremos capazes de ultrapassar as dificuldades, trilhando assim com segurança os caminhos do futuro.

Sem remancho, sigo para análise que se impõe.

Primeira inquietação. A substituição de Teresa Guilherme por Manuel Luís Goucha na apresentação da "Casa dos Segredos" vai ter impacto no PSI-20?

Análise. É provável que os títulos da Navigator registem uma subida devido ao potencial de crescimento do consumo de papel tissue que se verificará após cada episódio da "Casa dos Segredos", na medida em que se perspectiva uma corrida massiva aos WC. Os analistas julgam que o mercado irá ter um comportamento misto, antevendo ainda uma ligeira queda das acções da Pharol, pelas semelhanças argumentativas que existe entre a "Casa dos Segredos" e o enredo em que a empresa está envolvida no chamado caso Oi.

Segunda inquietação. Há a possibilidade de Gustavo Santos vir a integrar o elenco governativo de António Costa?

Análise. O cenário é ainda mais crítico. "Faltam menos de dois meses para a publicação do meu novo livro, absolutamente revolucionário e ameaçador para com os principais sistemas sociais que ainda nos regem", avisou o próprio no Facebook, dando a entender que o carácter disruptivo da sua obra poderá mesmo traduzir-se na defesa de um novo modelo de governação, em que ele se assuma como candidato a primeiro-ministro pelo partido "Ama-te Nível 2", disputando o território dos afectos como o Presidente Marcelo. E irá fazê-lo através da verbalização de pensamentos repletos de conteúdo como: "A vida é uma montanha-russa e, de vez em quando, sim, é preciso ficares de pernas para o ar." O dilema é: caso se ponham os dois com fofuras, quem tratará das contas do país? Para minimizar o perigo, sugiro que se atice o Cláudio Ramos ao Gustavo Santos.

Terceira inquietação. Fernando Negrão vai conseguir afirmar-se como líder da bancada parlamentar do PSD?

Análise. Acreditas no Pai Natal? E no coelhinho que foi com o Pai Natal no comboio ao circo? Tens a tua resposta. É claro que sim, desde que tenha cartão-frota para abastecer as renas.

Quarta inquietação. Diogo Piçarra terá plagiado uma canção da IURD. Será que a seguir vai fazer uma adopção ilegal?

Análise. De facto, trata-se de um quesito de relevância transcendente que pode impactar negativamente na próxima emissão de dívida de Portugal. Isto derivado de os investidores, à luz desta controvérsia, poderem presumir que o cenário macroeconómico nacional é uma adopção ilegal do alemão. De igual forma relevante é o facto de o Diogo Piçarra ter um cabelo parecido ao do Salvador Sobral, o que também levanta a suspeita de que a música portuguesa anda a ser clonada. Julgo que as finanças públicas e a sanidade mental dos portugueses estão ameaçadas.

Quinta inquietação. A introdução do VAR na política poderá afectar a prestação da geringonça?

Análise. É patente que a Catarina Martins joga sempre no limite do fora de jogo, encostada ao último defesa, invariavelmente Vieira da Silva. Sendo este um verdadeiro lento, a líder do BE surge muitas vezes isolada na cara do "keeper" Costa, o qual está sempre a reclamar "offside". Com o VAR, irá tornar-se possível o debate interminável sobre estas situações de jogo, protelando as decisões, uma variante táctica do agrado do primeiro-ministro. Portanto, a geringonça vai ainda funcionar melhor com esta tecnologia do engonha. Pelo menos até 2019.


Esperando que esta lição de sapiência te esclareça cabalmente, subscrevo-me com estima e sem inquietação,


Virgolino Faneca



Quem é Virgolino Faneca

Virgolino Faneca é filho de peixeiro (Faneca é alcunha e não apelido) e de uma mulher apaixonada pelos segredos da semiótica textual. Tem 48 anos e é licenciado em Filologia pela Universidade de Paris, pequena localidade no Texas, onde Wim Wenders filmou. É um "vasco pulidiano" assumido e baseia as suas análises no azedo sofisma: se é bom, não existe ou nunca deveria ter existido. Dele disse, embora sem o ler, Pacheco Pereira: "É dotado de um pensamento estruturante e uma só opinião sua vale mais do que a obra completa de Nuno Rogeiro". É presença constante nos "Prós e Contras" da RTP1. Fica na última fila para lhe ser mais fácil ir à rua fumar e meditar. Sobre o quê? Boa pergunta, a que nem o próprio sabe responder. Só sabe que os seus escritos vão mudar a política em Portugal. Provavelmente para o rés-do-chão esquerdo, onde vive a menina Clotilde, a sua grande paixão. O seu propósito é informar epistolarmente familiares, amigos, emigrantes, imigrantes, desconhecidos e extraterrestres, do que se passa em Portugal e no mundo. Coisa pouca, portanto.







Saber mais e Alertas
pub