Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Covid: Pfizer e Moderna sobem preço das vacinas vendidas à UE

As farmacêuticas Pfizer e Moderna subiram o preço de venda das vacinas negociadas com a Europa nos mais recentes contratos assinados com a Comissão Europeia.

D.R.
Negócios jng@negocios.pt 01 de Agosto de 2021 às 15:05
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

A notícia é avançada este domingo pelo Financial Times, apontando que a norte-americana Pfizer aumentou o preço de venda em cerca de um quarto e a Moderna negociou os contratos mais recentes com atualizações de cerca de 10%. A subida de preços acontece numa altura em que a União Europeia se debate com problemas no abastecimento e com preocupações com os efeitos secundários de outros produtores.


O novo preço apresentado pela Pfizer é de 19,50 dólares por vacina, quando anteriormente tinha assinado contratos com um preço de base de 15,50 dólares por inoculação. A informação consta em parte de contratos consultadas pelo Financial Times.


Quanto à Moderna, o preço de cada vacina aumentou para 25,50 dólares, de acordo com os contratos, quando antes estavam num valor a rondar os 22,60 dólares, valores apontandos por uma fonte próxima das negociações citada pelo jornal britânico.

Fontes de Bruxelas citadas pelo FT explicam que a Comissão Europeia e os Estados-membros acordaram pagar um preço mais elevado para assegurar o fornecimento de vacinas a partir das fábricas instaladas em território europeu.

Os termos dos contratos foram renegociados após a fase três de testes ter demonstrado que as duas companhias que utilizam a tecnologia mRNA nas vacinas demonstrarem taxas de eificência pernate o vírus acima das farmacêuticas com preços mais baixos, como a AstraZeneca e a Johnson & Johnson. Pfizer e Moderna assinaram contratos para fornecimento de 2,3 biliões de vacinas à União Europeia até 2023.

A Pfizer aumentou na semana passada as suas previsões para as vendas da vacina contra a covid-19, que é desenvolvida em conjunto com a alemã BioNTech, em 28,8% para 33,5 mil milhões de dólares.

A farmacêutica norte-americana Pfizer acredita que será necessária uma terceira dose da vacina no futuro, o que poderá garantir mais vendas no próximo ano. A empresa disse,no passado dia 28 de julho e citada pela Reuters, que poderá avançar com um pedido de autorização de emergência para uma potencial dose de reforço já no início de agosto.


Ver comentários
Saber mais Covid Pfizer União Europeia Moderna coronavírus vacinas
Outras Notícias