Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rajoy avisa que Madrid fará tudo para travar independência da Catalunha

O primeiro-ministro espanhol voltou a garantir que o Estado espanhol recorrerá a "todos os mecanismos políticos e jurídicos" para impedir os intentos soberanistas das forças políticas independentistas da Catalunha.

Bloomberg
David Santiago dsantiago@negocios.pt 27 de Outubro de 2015 às 16:04
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

À moção apresentada esta terça-feira, 27 de Outubro, pela aliança Juntos pelo Sim e pela CUP, que declara "o início do processo de criação do Estado catalão independente", Mariano Rajoy garante que o Estado espanhol fará tudo o que estiver ao seu alcance para defender a lei e a Constituição espanhola, e assim impedir a independência da Catalunha.

 

Numa comunicação feita ao início da tarde, o primeiro-ministro espanhol garantiu que "o Estado não vai renunciar ao recurso de todos os mecanismos políticos e jurídicos que, para a defesa da soberania do povo espanhol e do interesse geral de Espanha, lhe atribuem a Constituição e as leis". Num discurso marcado pelo dramatismo, Mariano Rajoy prosseguiu avisando "aqueles que querem separar e dividir a Catalunha e a Espanha que não vão consegui-lo".

 

O governante espanhol, que noutras ocasiões já havia dito que Madrid tudo faria para deter o processo soberanista pretendido pelo Governo autonómico da Catalunha (Generalitat), acrescentou ainda que "não o vão fazer porque vão contra a maioria dos catalães e do conjunto dos espanhóis. Têm em frente a lei e um Governo disposto a fazê-la valer".

 

De acordo com o El País, o líder conservador terá também telefonado aos restantes líderes dos principais partidos espanhóis, deixando de fora, todavia, Pablo Iglesias, do Podemos. Rajoy conversou com Pedro Sánchez, secretário-geral do PSOE, e com Albert Rivera, do Cidadãos, com os quais terá chegado a acordo sobre a necessidade de os "princípios gerais" da lei fundamental espanhola serem escrupulosamente cumpridos, isto de forma a evitar a independência catalã.

 

Esta manhã, foi entregue no Parlamento da Catalunha, cujos deputados eleitos nas eleições autonómicas de 27 de Setembro tomaram ontem posse, uma moção conjunta que prevê o início do processo independentista. Rajoy garante tratar-se de uma "provocação daqueles que ignoram a lei porque a lei não está do seu lado". O primeiro-ministro garantiu mesmo que "enquanto eu for chefe do Governo de uma nação de cidadãos livres e iguais, a justiça prevalecerá face à insensatez".

 

Entretanto o PP já começou a agir. Os deputados do PP eleitos para o Parlamento catalão, estão já a preparar uma petição para que seja reconsiderada a iniciativa pelos outros deputados. No entanto, este deverá ser um procedimento pouco eficaz, dado que a coligação soberanista Juntos pelo Sim e a CUP têm, em conjunto, a maioria dos mandatos do Parlamento da Catalunha. Só depois deste passo que a imprensa espanhola designa de meramente burocrático, é que o PP avançará para o Constitucional.

 

Artur Mas, presidente em funções e líder da Convergência Democrática da Catalunha (CDC), que faz parte da aliança Juntos pelo Sim, é arguido num processo relacionado com a realização de uma consulta popular não vinculativa a 9 de Novembro do ano passado e que serviu para substituir o referendo sobre a independência catalã. Tanto o referendo como a consulta foram chumbados pelo Tribunal Constitucional. 

Ver comentários
Saber mais Catalunha Espanha Mariano Rajoy Generalitat Pablo Iglesias Pedro Sánchez PP PSOE Cidadãos Podemos Juntos pelo Sim CUP Artur Mas
Mais lidas
Outras Notícias