Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Crise grega ao minuto: quarta-feira 24 de Junho

O dia de quarta-feira prometia ser um novo reboliço em Bruxelas, com várias reuniões tendo como tema a Grécia, depois de as propostas de Tsipras terem sido rejeitadas pelos credores. A reunião do Eurogrupo (prevista para as 18 horas) começou com atraso e entretanto foi suspensa. Mais à noite, Tsipras e credores reuniram-se. Quinta-feira volta a ser dia cheio. Acompanhe aqui os desenvolvimentos.

Reuters
  • Assine já 1€/1 mês
  • 27
  • ...

24h20 - Reunião entre Tsipras, Lagarde, Juncker e Draghi termina. Nova reunião marcada para as 8h da manhã (hora de Lisboa). Segue-se novo Eurogrupo às 12h e o Conselho Europeu às 15h.

22h20 -
Alexis Tsipras chega à sede da Comissão Europeia para se reunir com a directora-geral do FMI, Christine Lagarde, com o presidente da Comnissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e com o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, os principais supervisores do programa de assistência financeira.

21h40 - Fontes comunitárias citadas pelo The Guardian avançam que o Eurogrupo espera ter na quinta-feira pelas 10h da manhã um documento para poder levar à reunião dos ministros que começa às 12h. É uma corrida contra o tempo, já que o Conselho Europeu tem início às 15h.


21h05 - 
A ministra portuguesa das Finanças explicou que o Eurogrupo entendeu suspender a reunião de hoje e retomá-la na quinta-feira para "dar mais umas horas" ao Governo grego e às instituições para concluírem as discussões em curso. Maria Luís Albuquerque: É produtivo "dar mais umas horas" às negociações antes de Eurogrupo decidir. É produtivo "dar mais umas horas" às negociações antes de Eurogrupo decidir", disse Maria Luís Albuquerque.


20h19 -
Jeroen Dijsselbleom declarou, à saída do Eurogrupo, que "estamos determinados a continuar a trabalhar pela noite fora, se necessário".

19h59 -
O ministro finlandês das Finanças já confirmou a suspensão do Eurogrupo. Anunciou no Twitter que a nova reunião é amanhã às 12h de Lisboa.  Aquela que prometia ser uma noite longa acaba assim por ser uma das reuniões mais curtas de sempre dos ministros das Finanças da Zona Euro. As divisões que persistem entre Atenas e os credores terá motivado esta suspensão. 


19h50-
Media internacionais estão a avançar, citando fontes comunitárias, que o Eurogrupo de hoje será suspenso, ficando adiado para quinta-feira de manhã, antes do Conselho Europeu. Há ainda indicações de que esta noite, pelas 22h de Lisboa, Tsipras irá reunir-se com os seus credores.

19h36 - 
Syriza: Atenas está a travar luta contra a "extorsão e tácticas de asfixia"O Governo grego está a travar "uma luta contra a extorsão e contra tácticas de asfixia sem precedentes", afirmou hoje o secretário do Syriza, Tasos Koronakis, numa referência às negociações de Atenas com os credores.

19h29 -
Segundo o jornal britânico The Guardian, há rumores que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, vai encontrar-se com o Presidente da Comissão da Europeia, Jean-Claude Juncker, ainda esta noite, após o encontro do Eurogrupo. E segundo fontes de uma jornalista do Irish Times, citada pela The Guardian, o encontro dos ministros das Finanças pode ser suspenso esta noite. Os ministros voltam a encontrar-se amanhã, antes da Cimeira, segundo as fontes desta jornalista.

18h53 - 
Wolfgang Schäuble, ministro das Finanças da Alemanha, também não acredita que haja acordo. "Não estou optimista que haja um acordo esta noite. O trabalho começa agora", afirmou à entrada para o Eurogrupo, de acordo com The Guardian.

18h51 -
Edward Scicluna, ministro das Finanças de Malta, acredita que esta será "uma noite longa". "Só esperamos que termine numa resolução", acrescentou. Scicluna sublinha, contudo, que um acordo não vai pôr um ponto final na incerteza em torno da Grécia. "É uma longa história com muitos desafios para a Grécia e para os credores". 


18h40 -
Ministro das Finanças da Finlândia mostra-se pessimista sobre a possibilidade de um acordo no Eurogrupo de hoje. "Ficaria positivamente surpreendido se houvesse um acordo esta noite", afirmou Alexander Stubb, à chegada ao encontro. 

18h32 -
Luis de Guindos, ministro espanhol das Finanças, assinalou à entrada para o Eurogrupo que "há vontade política" mas "h
á que cumprir as regras". "Espero que haja acordo mas há questões" que têm de ser resolvidas, apontou. Luis de Guindos referiu que hoje vão ser analisadas as bases do acordo para avaliar se estão em linha com as regras estabelecidas. O ministro espanhol, quando questionado sobre se a noite iria ser longa, afirmou não saber e adiantou ainda que "ainda faltam dias" para 30 de Junho - data em que a Grécia tem de pagar cerca de 1,6 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional.

18h30 - Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia já chegou ao encontro. "Estamos num processo de intensas negociações. Estamos a fazer progressos. Mas ainda há assuntos por resolver. Vamos ter uma noite longa", disse aos jornalistas.


18h24 -
Lagarde também já chegou, mas não falou aos jornalistas.

18h20 - Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, entrou no edifício sem falar aos jornalistas. 

18h16 - 
Pierre Gramegna, ministro das Finanças do Luxemburgo, também já está no edifício. 

18h10 -
Ministro das Finanças da Eslováquia, Peter Kazimir, mostrou-se optimista à entrada para o encontro dos ministros das Finanças do euro.

18h03 -
Mario Draghi, presidente do BCE, Dusan Mramor, ministro das Finanças da Eslovénia e Carlo Padoan, ministro das Finanças de Itália também já chegaram. Não falaram aos jornalistas.

17h56 -
Há minutos o ministro das Finanças da França, Michel Sapin, entrou para o edifício onde se vai realizar o encontro do Eurogrupo. Logo de seguida entrou, o ministro belga das Finanças, Johan Van Overtveldt. Aos jornalistas afirmou que primeiro é necessário ver o documento que foi elaborado pelas instituições credores e apenas depois poderão perceber se haverá ou não acordo. Ainda assim, assinalou que "em primeiro lugar é necessário um bom acordo para a economia grega" e depois assegurar "um bom futuro para a união monetária".

Em relação à manutenção do FMI no programa de assistência à Grécia, Johan Van Overtveldt assinalou que "é importante tê- lo a bordo".

"
Temos uma grande responsabilidade perante a população grega. Penso que o seu sofrimento é imenso. Conseguem imaginar uma economia que cai 25% em poucos anos? É tremendo. Temos de travar isso…temos uma obrigação moral aqui", acrescentou o ministro belga. 


17h54 - A líder do Fundo Monetário Internacional concedeu uma entrevista a uma revista francesa, que foi publicada hoje, onde assinala que o programa de reformas da Grécia não pode assentar apenas em promessas fiscais.

 

Na mesma entrevista, a secretária-geral do FMI diz estar disponível para um novo mandato à frente do fundo. 

17h25 – Ministro das Finanças da Finlândia já chegou a Bruxelas, dando mais sinais de que o Eurogrupo está atrasado, uma vez que antes de se reunir com os restantes congéneres da Zona Euro vai encontrar-se com parceiros políticos.


17h15 -
Fonte oficial do Governo grego anuncia que o início do Eurogrupo poderá ser adiado (o encontro está agendado para as 18 horas de Lisboa). Segundo a mesma fonte, citada pela Bloomberg, a directora do FMI, Christine Lagarde, está a ser muito dura nas negociações. 

16h41 –
"Claro que queremos mudanças e eles não", afirmou à Reuters uma fonte oficial de uma das instituições credoras. "Isto faz parte do processo de negociação, ainda que [seja] menos eficaz quando é do conhecimento público", acrescentou.


16h32 -
Um funcionário do Governo, ligado ao Syriza, classificou as propostas dos credores internacionais para a Grécia como "absurdas" durante um encontro da comissão política da coligação governamental, de acordo com o The Guardian.

16h21 - Bolsa grega cai 2% e juros voltam a subir em dia de novo impasse nas negociaçõesO principal índice da praça helénica encerrou a cair quase 2% depois de, durante a sessão ter recuado quase 5%. Os juros da dívida pública regressaram às subidas num dia em que se verifica um impasse nas negociações entre os credores internacionais e a Grécia.

16h10 - 
Stavros Theodorakis, líder do To Potami, assegurou que o seu partido vai apoiar o acordo que seja alcançado entre o Governo de Atenas e as instituições credoras. No final de um encontro com o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, Theodorakis defendeu que o país deveria cortar na despesa "excessiva" em vez de aumentar os impostos.

"Foi um encontro num momento crucial, num dia muito difícil. O senhor Moscovici reiterou a necessidade de se alcançar um acordo hoje", revelou aos jornalistas o líder do partido da oposição. "Reassegurámos-lhe que o Potami se comprometeu em apoiar um acordo, e eu também lhe disse que penso que a maioria do parlamento helénico vai apoiar um acordo assinado pelo Governo e pelos parceiros europeus".

E continuou: "Também lhe disse que o que a sociedade grega realmente quer é que esta tortura acabe, e o início de uma nova era, sem a incerteza que vivemos hoje". 


15h40 - 
Governo alemão diz que "ainda há um longo caminho a percorrer" até um acordo com a Grécia. Berlim minimizou, esta tarde, as hipóteses de um acordo iminente entre Atenas e as instituições credoras, depois de o Executivo de Alexis Tsipras ter rejeitado a contra-proposta apresentada pelos parceiros internacionais.

- O primeiro vice-presidente da Comissão Europeia diz ser impossível arrastar mais o tema da Grécia, sendo fundamental fechar um acordo ainda esta semana.

"Devemos encontrar um acordo esta semana sobre a Grécia. Temos de ir directamente ao ponto, não há mais prolongamento possível. Temos a exigência de responder aos gregos que sofrem", disse Frans Timmermans, ao início da tarde, perante o Parlamento Europeu, em Bruxelas.

Para o número dois da Comissão Europeia, é preciso que "todos" se "comprometam" em dar à Grécia possibilidades de voltar a crescer através de um entendimento "razoável" para ambas as partes.

15h26 - O jornal grego Kathimerini publica o documento com as contra-propostas dos credores. O documento é composto por cinco páginas e está todo rasurado.

15h15 –
O BCE diz que o seu papel agora é apenas assegurar o funcionamento da banca grega. "Agora está nas mãos dos políticos. Seguimos com muito interesse o que está a acontecer", afirmou Klaas Knot, membro do BCE, citado pela Reuters. Garantimos que manteremos os bancos gregos em funcionamento, que é o nosso papel", acrescentou.

 

Ontem o BCE decidiu aumentar novamente a liquidez para a banca grega, pela quarta vez no espaço de uma semana. A Bloomberg aproveita para falar da estratégia do BCE no caso grego, comparando-o com a actuação na Irlanda e Chipre.


14h35 -
Ministro das Finanças francês, Michel Sapin, diz que o Eurogrupo vai discutir a questão da dívida grega. O responsável, citado pela Bloomberg adianta esta não é uma questão tabu, ainda que não seja considerada a mais urgente. Sapin, que falou no Parlamento francês, acrescentou que é preciso ser exigente com a Grécia, mas também justo. 

13h58 - Os credores e o Governo grego continuam divididos sobre as medidas a implementar para obter poupanças orçamentais. Numa resposta às propostas de Atenas, os credores recusam aumentos substanciais nos impostos às empresas e insistem em aumentos mais acentuados no IVA e cortes com as pensões.


12h32 -
Alexis Tsipras já chegou a Bruxelas. De acordo com o Guardian vai reunir-se com Juncker e só depois vai encontrar-se com os restantes resposáveis, tal como estava previsto.

12h12 -
Líderes das instituições credoras da Grécia já estão reunidos em Bruxelas.

12h09 - Realizou-se a conferência de imprensa habitual da Comissão Europeia. Participou a comissária europeia da Concorrência, Margrethe Vestager. O tema centrou-se nas coimas aplicadas no âmbito da Concorrência. Nas perguntas, o tema Grécia esteve ausente. 


12h01 - 
A bolsa grega está a descer 4,18% para 230,58 pontos, numa altura em que os juros também estão a subir, a reflectir os receios dos investidores em torno de um novo impasse nas negociações entre credores e Grécia.


11h33 - 
Do lado dos credores há outra versão: Atenas apresentou ontem (terça-feira, 23 de Junho) uma lista de medidas a adoptar imediatamente que não corresponde ao que tinha sido acordado, de acordo com um jornalista do Financial Times. Estas medidas serão determinantes para que haja acordo. 


11h13 - Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, diz que "ainda há muito trabalho" para fazer relativamente à Grécia, segundo declarações prestadas aos jornalistas, em Bruxelas. 


11h12 -
 Tsipras confirma que os credores rejeitaram propostas equivalentes, deixando fortes críticas no twitter: "nunca foi feito", salientou, questionando o que querem os credores com esta posição. 


10h59 -
"Estamos a entrar na fase final das negociações que, esperamos, nos estamos a esforçar, para ser a última", afirmou Yanis Varoufakis aos jornalistas, na Grécia à saída para o aeroporto a caminho de Bruxelas.


10h45 –
O ruído começa a tomar conta da manhã. Fonte oficial do Governo grego diz que Tsipras revelou que os credores não aceitaram as propostas gregas. O responsável, citado pela Bloomberg, pediu para não ser identificado.

 

- Já uma fonte oficial da União Europeia revelou que os líderes da Zona Euro não querem negociar com a Grécia na Cimeira. Querem que sejam os ministros das Finanças a concluir as negociações. Nem que isso signifique trabalhar pela noite dentro. O que sugere que em Bruxelas a expectativa é de que um acordo será fechado hoje. 


10h28 - 
Fonte oficial da União Europeia revelou à Reuters que as diferenças entre a Grécia e os credores mantêm-se, não tendo havido grandes progressos na terça-feira. Em causa está alterações do IVA, pensões, impostos sobre empresas. A mesma fonte disse não ter sido discutida qualquer reestruturação da dívida.


10h13 -
O presidente do Eurogrupo, Jerome Dijsselbloem, terá dito aos responsáveis pelas Finanças da Zona Euro que teriam de fechar um acordo esta quarta-feira, mesmo que isso implicasse estarem reunidos a noite toda, segundo uma fonte oficial da União Europeia, revela um jornalista do New York Times através do Twitter.


9h51 -
O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, admitiu esta quarta-feira que é possível não fechar o acordo esta semana. As negociações "podem não ser concluídas na Cimeira Europeia, porque a data limite é o final do mês", afirmou no Parlamento italiano, citado pela Reuters.

9h50 -
"Espero que seja" encontrada uma solução "esta noite", afirmou já esta manhã o ministro das finanças da Áustria, citado pelo Guardian. "Se não houver nenhuma solução real até domingo, não é previsível qual o próximo passo", acrescentou.

 

Alexis Tsipras, primeiro-ministro grego, vai voltar a reunir-se esta quarta-feira, 24 de Junho, com o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, a directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

 

O encontro a quatro está agendado para as 12h de Bruxelas (11h em Lisboa) e tem como objectivo chegar a acordo sobre o plano apresentado por Atenas para desbloquear a última tranche da ajuda externa, no valor de 7,2 mil milhões de euros. Só com este valor será possível à Grécia cumprir com os reembolsos que tem agendado para o final do mês ao FMI, e que supera os 1,5 mil milhões de euros.

 
O Guardian adianta que antes desta reunião a quatro, Tsipras vai encontrar-se com Juncker. 

- A nova proposta de reformas do Governo grego assenta quase exclusivamente em aumentos de impostos e subida das contribuições para a Segurança Social. Conheça todas as medidas e que impacto terão no Orçamento grego.

- Na segunda-feira o dia foi repleto de reuniões, que aproximaram a Grécia dos credores. Veja o minuto a minuto que o Negócios fez nesse dia

 

- Ao longo dos últimos meses foram muitas as declarações dos principais protagonistas da crise grega. Veja a fotogaleria com uma selecção das principais declarações desde que o Syriza ganhou as eleições


Veja quais os montantes de pagamento e as datas que Atenas terá de cumprir.


































(Notícia em actualização)

 

Ver comentários
Saber mais Grécia Atenas Eurogrupo Alexis Tsipras BCE Mario Draghi Fundo Monetário Internacional FMI Banco Central Europeu Christine Lagarde Jean-Claude Juncker presidente da Comissão Europeia Bruxelas
Mais lidas
Outras Notícias