Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Salvini admite falar com Berlim e Paris sobre défice e põe juros em queda acentuada

O líder da Liga mostrou disponibilidade para dialogar com a Alemanha e França para assegurar flexibilidade para um défice orçamental mais elevado. Mercados reagiram positivamente com juros italianos a 10 anos a recuarem para mínimos de mais de duas semanas.

David Santiago dsantiago@negocios.pt 24 de Maio de 2019 às 18:42
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Matteo Salvini quer aproveitar o antecipado reforço da representação da Liga (extrema-direita) no Parlamento Europeu para depois encetar conversações com as autoridades de Berlim e de Paris a fim de garantir flexibilidade para fechar 2019 com um défice superior ao inicialmente acordado com Bruxelas.

A abordagem aparentemente conciliatória do líder da Liga e vice-primeiro-ministro italiano foi bem recebida nos mercados, levando a taxa de juro associada à dívida pública transalpina a 10 anos para mínimos de 7 de maio.

Nesta altura, a "yield" correspondente aos títulos soberanos de Itália com maturidade a 10 anos recua 8,5 pontos base para 2,551%.

O também ministro italiano do Interior reitera, contudo, a intenção de promover mudanças na política comunitária, sobretudo na Zona Euro e em particular nas regras orçamentais.

Em declarações à rádio RTL, Salvini admite que a Europa que pretende "mudar" é a União Europeia da chanceler alemã Angela Merkel e do presidente francês Emmanuel Macron, portanto admite, "se necessário", conversar com ambos.

Estas declarações surgem na antecâmara de umas eleições europeias que devem reforçar o peso de partidos eurocéticos e anti-UE, e Salvini quer tirar partido da nova correlação de forças para garantir mudanças no Tratado Orçamental e no Pacto de Estabilidade e Crescimento.  

Tudo isto devido à perspetiva de novo embate entre Roma e a Comissão Europeia, depois de o braço de ferro a propósito do orçamento para 2019 ter levado Bruxelas a pela primeira vez chumbar a proposta orçamental de um país-membro do euro.

O governo italiano previa um crescimento económico de 1% neste ano, contudo o abrandamento da economia global e a evolução da economia transalpina muito abaixo do esperado ameaçam manter o PIB do país estagnado.

Essa perspetiva torna improvável o cumprimento do défice de 2,04% estipulado para este ano. Para potenciar o crescimento económico, Salvini disse recentemente que o executivo de aliança entre a Liga e o 5 Estrelas de Luigi Di Maio poderá "furar alguns limites, como por exemplo a regra [do défice orçamental] dos 3% ou dos 130%-140% [de dívida]".

Apesar de Di Maio ter prontamente garantido que não será esse o caminho, até pelo risco de nova escalada nos juros da dívida pública, Salvini tem reafirmado a intenção de aprovar medidas que podem desequilibrar ainda mais as contas transalpinas.

Uma delas é a prometida redução dos impostos aplicados às empresas (e também às famílias). Outra é uma ligação férrea de alta velocidade entre Turim e Lyon (França). A primeira reduz a receita e a segunda agrava a despesa.

Ver comentários
Saber mais Itália Matteo Salvini Liga Parlamento Europeu Zona Euro Alemanha França Angela Merkel Emmanuel Macron Tratado Orçamental Comissão Europeia Luigi Di Maio Juros Défice
Mais lidas
Outras Notícias