Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

China mantém deslocação aos EUA apesar da ameaça de tarifas

As dúvidas em torno da próxima visita de representantes chineses aos Estados Unidos foram dissipadas por Pequim: a delegação chinesa cumprirá o calendário e apresentar-se-á em Washington esta quarta-feira, antes da aplicação de um aumento nas tarifas prometido por Trump.

EPA
Negócios jng@negocios.pt 06 de Maio de 2019 às 14:38
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês veio assegurar que uma delegação está a preparar-se para visitar a Casa Branca, com o objetivo de avançar com as negociações comerciais entre as duas maiores economias do mundo. Isto, apesar de o presidente norte-americano ter surpreendido os negociadores chineses com a ameaça de aplicar o aumento de tarifas.

Fontes ligadas à delegação chinesa avançaram a hipótese de que o encontro para a resolução do conflito comercial, agendado para esta quarta feira, fosse adiado por um dia – deixando menos margem de negociação – ou mesmo cancelado. Possibilidades que foram desmentidas por fonte oficial do Governo.

"Estamos também no processo de perceber a situação. O que podemos dizer é que a China está a preparar-se para ir aos Estados Unidos e prosseguir com as negociações", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros. "O que é de importância vital e que ainda esperamos que os Estados Unidos consigam trabalhar connosco é um encontro a meio caminho (entre as posições)", acrescentou.

A incerteza em relação ao desenrolar das negociações comerciais surgiu depois de Trump ter feito uma nova ameaça através da rede social Twitter, este domingo, dia 5 de maio.

Washington pretende uma subida das tarifas de 10% para 25% sobre o equivalente a 200 mil milhões de dólares em produtos chineses importados. Uma medida com data prevista para a próxima sexta-feira, 10 de maio, caso não exista consenso até então.

Os Estados Unidos tinham já advertido que se não fosse alcançado um acordo, aumentariam de 10% para 25% a tarifa aplicada sobre o equivalente a 200 mil milhões de dólares de importações chinesas. Pequim respondeu que deveria retaliar com uma subida das taxas aduaneiras sobre cerca de 60 mil milhões de dólares de bens norte-americanos (anunciadas no ano passado como forma de retaliação).

Ver comentários
Saber mais Negócios Estrangeiros China Twitter Casa Branca presidente norte-americano Governo Estados Unidos Trump Washington Pequim economia negócios e finanças política
Outras Notícias