Política António Costa: Se fosse hoje "voltava a assinar os acordos à esquerda"

António Costa: Se fosse hoje "voltava a assinar os acordos à esquerda"

Catarina Martins, coordenadora do BE, foi a primeira a garantir que não está arrependida por ter formado a geringonça. Mas para os bloquistas os resultados só foram bons porque as medidas não foram as do Governo.
António Costa: Se fosse hoje "voltava a assinar os acordos à esquerda"
Lusa
Nada de arrependimentos. Tanto António Costa como Catarina Martins voltariam a assinar os acordos que permitiram a formação do Governo socialista, garantiram os dois líderes, durante o debate do Estado da Nação, que decorre esta quarta-feira, 10 de julho, no Parlamento. Mas o primeiro-ministro foi até um pouco mais longe e disse que "não estando em 2015, voltaria a tomar a mesma decisão".

"Se estivéssemos em 2015, voltaria a assinar os acordos. Não estando em 2015, voltaria a tomar a mesma decisão. Os resultados são bons," disse António Costa, durante o debate. Desde o discurso de abertura do debate que o primeiro-ministro optou por louvar a geringonça, argumentando que se há ainda muito a fazer nos serviços de saúde e transportes, tal deve-se ao estado em que a troika e o Governo da direita deixaram o país.

Catarina Martins também já tinha sublinhado os resultados do entendimento das esquerdas, mas com uma nuance: "Voltássemos a 2015 nas mesmas condições e voltaria a assiná-los," disse a coordenadora bloquista. O que não é o mesmo que dizer que voltaria a tomar a mesma decisão hoje.

Até porque o BE aproveitou para se distinguir dos socialistas, argumentando que sem a sua influencia, conseguida precisamente através dos acordos, teria havido uma espécie de austeridade light. "O anseio de uma maioria absoluta é apenas para regressar ao programa do PS," atacou Pedro Filipe Soares. "O excedente primário foi ultrapassado com medidas de recuperação de rendimentos muito diferentes [das do Programa do Governo] e que vão muito além do que tinha sido previsto pelo PS," completou Mariana Mortágua.

Bloco diz que é preciso ficar escrito para ser cumprido


A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu ainda que "o Governo falhou nas áreas em que os acordos foram menos concretos", sendo "a saúde e transportes talvez a área mais visível".


Catarina Martins centrou então atenções na questão da nova Lei de Bases da Saúde, garantindo que "o Bloco não muda de posição" e continua à espera que Governo e PS larguem as tentativas de consenso à direita para aprovar, à esquerda, uma legislação para "proteger o SNS".

A carregar o vídeo ...

Do lado do PCP, também não se mostraram arrependimentos. Mas os comunistas fizeram questão de deixar claro que os progressos ainda não chegam. Jerónimo de Sousa abordou o tema da saúde para perguntar ao primeiro-ministro se prefere aguardar pela próxima legislatura para fazer aquilo de que o SNS necessita. António Costa limitou-se a dizer que continuará a resolver os problemas do SNS "passo a passo".

Jerónimo instou ainda Costa a dizer o que vai fazer em relação à legislação laboral, garantindo que "não faltaram os votos para revogar as normas gravosas da legislação laboral e defender os direitos dos trabalhadores".



pub

Marketing Automation certified by E-GOI