Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

João Leão mantém lema de Centeno: Mais emprego e economia com "contas certas"

O até aqui secretário de Estado do Orçamento destacou o trabalho desenvolvido pelo Ministério das Finanças liderado por Centeno que permite ao país "enfrentar com melhores condições" a crise pandémica. João Leão repete o mantra do antecessor e promete encontrar o "equilíbrio certo e virtuoso entre o crescimento da economia e do emprego e as contas certas".

David Santiago dsantiago@negocios.pt 09 de Junho de 2020 às 14:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...
Na primeira declaração pública enquanto ministro indigitado das Finanças, João Leão elogiou o trabalho desenvolvido pelo Ministério até aqui liderado por Mário Centeno e prometeu prosseguir o caminho trilhado pelo ministro demissionário.

"Em boa hora construímos estas bases financeiras sólidas para que o país possa enfrentar com melhores condições esta crise criada pela pandemia", declarou o até aqui secretário de Estado do Orçamento elogiando a consolidação das contas públicas ao longo dos últimos cinco anos.

Já a olhar para o futuro e a necessária resposta ao choque económico provocado pela crise da covid-19, João Leão disse que "temos de responder com políticas capazes de enfrentar o desafio que temos pela frente".

"Importa pois, numa primeira fase, concentrar os nossos esforços em termos de políticas de estabilização da economia no apoio ao emprego e às empresas e na ajuda às famílias e manutenção dos seu rendimentos", prosseguiu o futuro ministro das Finanças, que tomará posse enquanto tal a 15 de junho.

Para a segunda fase da recuperação, o governante defende como "fundamental" que seja novamente recuperada "a economia" e alcançado outra vez o "equilíbrio certo e virtuoso entre o crescimento da economia e do emprego e as contas certas".

"Apenas assim conseguiremos manter e assegurar a estabilidade económica e social para os portugueses e este é um compromisso que assumo", acrescentou.

Nesta inaugural e curta intervenção enquanto futuro ministro das Finanças, João Leão assumiu ser uma "honra poder continuar a servir o país, agora com funções mais acrescidas, ainda para mais numa fase tão exigente do país". 

Leão fez também questão de agradecer o convite feito por Mário Centeno para ser seu secretário de Estado nos últimos cinco anos, discorrendo depois sobre o trabalho desenvolvido:

"Juntos preparámos e executámos cinco orçamento de Estado, anos de trabalho muito intenso fundamentais para atingir o primeiro excedente orçamental da democracia num contexto de convergência com a União Europeia, criação de emprego e de recuperação de rendimentos e de redução das desigualdades". 

Desde a fracassada candidatura à liderança do Fundo Monetário Internacional (FMI) no passado verão, a relação entre Mário Centeno e o primeiro-ministro, António Costa, deteriorou-se fazendo com que a permanência do ministro das Finanças ficasse apenas assegurada a prazo, designadamente até 13 de julho, momento em que chega ao fim o mandato como líder do Eurogrupo.

Centeno comunicará na próxima quinta-feira, 11 de junho, aos seus pares europeus que não será recandidato a presidente da instituição informal que junta os ministros das Finanças da Zona Euro.

Em meados de março eclodiu uma nova crise entre Costa e Centeno a propósito de uma "falha de comunicação" relativa à luz verde dada pelas Finanças a uma nova injeção de liquidez no Novo Banco. Esta pequena crise foi ultrapassada com a garantia de que Centeno ficaria a prazo no Executivo para preparar o orçamento retificativo (que é hoje entregue no Parlamento) e terminar o mandato no Eurogrupo.

(Notícia atualizada)
Ver comentários
Saber mais João Leão Mário Centeno Governo Finanças Covid-19 António Costa
Mais lidas
Outras Notícias