Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Uma rotunda de violentas frustrações

Eram 17 quilómetros de protesto. Pretérito imperfeito, por a marcha terminar pouco depois. No mesmo local, todos os grandes marcos de um dia. Na Rotunda do Relógio, o tempo corre contra os taxistas.

Wilson Ledo wilsonledo@negocios.pt 10 de Outubro de 2016 às 20:36
  • Assine já 1€/1 mês
  • 13
  • ...

Queria-se pacífica a marcha de protesto. Contra as plataformas Uber e Cabify, contra o Governo e uma lei "atabalhoada". A manhã aproximava-se do seu fim quando tudo caiu por terra.

cotacao Vamos ficar hoje e amanhã se for preciso. Vamos montar uma tendas. Enquanto não houver essa resposta, não saímos daqui. Carlos ramos Presidente da Federação Portuguesa do Táxi

Primeiro ovos lançados a um carro (alegadamente) da Uber junto a uma bomba de gasolina, depois a tentativa de fechar o acesso ao aeroporto. Provocações, palavrões, desorientações. A polícia teve de agir. Três pessoas detidas, duas entretanto libertadas.

E aí, o destino final mudou: a Assembleia da República transformou-se na Rotunda do Relógio. "Vamos ficar aqui por tempo indeterminado", confirmou Florêncio Almeida da ANTRAL. O protesto tinha um novo centro. Polícia de um lado, taxistas do outro. Face a face, com direito a bala de plástico e gás. "Não houve porrada nenhuma. Foi a polícia que não nos deixou manifestar livremente". As forças de segurança transformaram-se no bode expiatório.

Tirando um carro da Uber vandalizado, as aplicações de transporte quase parecem ter passado ao lado da agitação. Rápidas aparições mediáticas nas televisões para mostrar que compreendem o protesto e que é urgente avançar com este processo de regulação. A Cabify admitiu mesmo que gostaria de estar mais envolvida.

Voltar sem nada
"Exigimos que venha alguém aqui [do Governo] falar connosco", gritou Florêncio de Almeida. Acabou por ser ele, juntamente com o líder da Federação Portuguesa do Táxi (FPT), Carlos Ramos, quem teve de se deslocar. Destino: Ministério do Ambiente.

Os ânimos acalmaram com os estômagos vazios perto da hora de almoço e a incerteza. No ministério de João Matos Fernandes, a solução não chegou. O anúncio seria feito pelos responsáveis já o relógio passava das 16:00 na rotunda de acesso ao aeroporto.

O entusiasmo deu lugar ao desalento. "Vamos ficar hoje e amanhã se for preciso. Vamos montar umas tendas", contrariou Carlos Ramos. Seguiram-lhe o exemplo. Sem um horizonte temporal, como prometido. "Não saímos, não saímos". Querem ficar até que sejam ouvidas duas "preocupações fundamentais: o contingente e a paragem dos ilegais". "Enquanto não houver essa resposta, não saímos daqui", reforçou o líder da FPT. A carrinha de caixa aberta para ser transformada em palco chegou. Aí, seriam também servidas sopas durante a noite.

Calmas temporárias
Quando o sol se começou a pôr, corpos vencidos pelo cansaço vão-se acumulando na mesma rotunda. Sabem que só unidos conseguirão levar a luta a uma boa praça, diferente daquela que deixaram vazia esta segunda-feira, 10 de Outubro. Esperavam-se seis mil, foram só quatro mil, segundo as contas da FPT.

A acalmia foi temporária. Um homem, que não era taxista cai do viaduto por cima do centro do protesto. Tinha-se pendurado. Os taxistas voltam a focar-se na polícia, por não ter agido a tempo.

A tensão mantém-se, os reboques espelham-na. A PSP admite classificar a acção como "bloqueio" e avançar, casos os taxistas não o façam voluntariamente, com aqueles equipamentos para retirar dezenas de carros e assim facilitar o trânsito na zona.

O mesmo trânsito que, noutras partes de Lisboa, parece ter desaparecido, pelas fotografias e relatos postos online. A prudência de quem tem carro parece ter falado mais alto. Metro e autocarros a abarrotar, filas de turistas para comprar bilhete. Alguns, de malas aviadas, a subir a Avenida Almirante Gago Coutinho até ao aeroporto. O caos de que uma rotunda é capaz.

cotacao Não houve porrada nenhuma. Foi a polícia que não nos deixou manifestar livremente. Florêncio almeida Presidente da Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL)
Ver comentários
Saber mais táxi Uber Cabify taxistas transportes automóvel ANTRAL FPT Carlos Ramos Florêncio de Almeida Nuno Santos Rui Bento
Mais lidas
Outras Notícias