Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Cofina dispara mais de 20% após lançar OPA sobre a dona da TVI

As ações do grupo estão a negociar em máximos do final de julho, depois de ontem ter anunciado uma reformulação da oferta pela Media Capital.

Alexandre Azevedo
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 13 de Agosto de 2020 às 09:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
As ações do grupo Cofina, que detém várias publicações como o Correio da Manhã, o Jornal de Negócios ou o Record, estão a expandir os ganhos e valorizam por esta altura 21,82% para os 26,8 cêntimos por ação, em reação à versão modificada da OPA (oferta pública de aquisição) lançada ontem, já depois do fecho de sessão, sobre a totalidade da Media Capital, dona da TVI.

A empresa abriu o dia a ganhar quase 10% em bolsa, mas foi ampliando os ganhos de forma paulatina. Já a Media Capital não negociou qualquer ação, no dia de hoje.

A liquidez da negociação está a ser bastante maior do que a média. Até ao momento, foram negociadas mais de 363 mil ações, mais do que triplicando face à média diária dos últimos seis meses fixada nas cerca de 116 mil ações.

Esta nova cotação representa um máximo desde o passado dia 31 de julho de 2020, um ano desafiante para a Cofina que viu as suas ações desvalorizarem 42%, acima da perda de 19% do setor dos meios de comunicação na Europa, no mesmo período em análise.

Mesmo com a valorização robusta de hoje, as ações da Cofina continuam a negociar abaixo da média móvel dos últimos 90 e 200 dias, representadas no gráfico abaixo pelas linhas cor de rosa e verde, respetivamente. A média dos últimos três meses de negociação está nos 26,3 cêntimos por ação, enquanto que a média dos cerca de sete meses de negociação está nos 34,25 cêntimos.


Ações da Cofina reagem em alta a OPA sobre a Media Capital
Ações da Cofina reagem em alta a OPA sobre a Media Capital
 
A subida desta manhã contraria a tendência registada nas bolsas da Europa no geral, e do setor dos media em particular. O global Stoxx 600 - que agrupa as 600 maiores cotadas da região - está a cair 0,2%, e o índice que agrupa apenas as empresas do setor dos media está a desvalorizar 0,3%.

Ontem, a Cofina comunicou a oferta à CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários), com várias alterações face à operação anunciada em setembro do ano passado. Agora, a reformulação da oferta anterior pressupõe uma contrapartida de 41,5 cêntimos por ação da Media Capital, um valor 82% inferior aos 2,3336 euros por ação oferecidos na primeira abordagem.

Este novo preço está em linha com a aquisição, a 14 de maio, de uma participação de 30,22% na Media Capital pela Pluris, de Mário Ferreira, que pagou 10,5 milhões de euros pela aquisição, que a Prisa considerou "uma avaliação acima das estimativas do mercado efetuadas pelos analistas", indica a Cofina em comunicado.

A Cofina assinala que a OPA modificada deixa de estar enquadrada no contrato celebrado com a Prisa para a aquisição da totalidade da subsidiária Vertix e, assim, de 94,69% do capital da Media Capital. Desta forma, as ações detidas pela Vertix passam a ser objeto da oferta. 

No requerimento da Cofina para modificar a oferta, a empresa liderada por Paulo Fernandes invoca a "alteração substancial das circunstâncias que fundaram a decisão inicial de investimento". A CMVM considerou, em resposta ao requerimento, "se ter verificado a superveniência de factos, associados em particular ao contexto da pandemia de Covid-19, que, tendo afetado de forma imprevisível e materialmente adversa os fundamentos em que assentou a configuração originária da oferta preliminarmente anunciada, excederam os riscos àquela inerentes, legitimando o oferente a invocar o direito que o artigo 128.º do Código dos Valores Mobiliários lhe concede de revogar ou modificar sua oferta".
Ver comentários
Saber mais Jornal de Negócios Cofina Media Capital OPA Correio da Manhã TVI Record Europa economia negócios e finanças mercado e câmbios bolsa
Mais lidas
Outras Notícias