Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

EDP lidera ganhos na Europa após BNP Paribas ter reforçado "comprar". EDP Renováveis disparou 4%

As duas empresas do grupo EDP estão a liderar os ganhos entre os pares do setor no "velho continente" num dia em que o BNP Paribas reforçou a sua visão sobre ambas.

Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 13 de Setembro de 2021 às 11:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 7
  • ...
O BNP Paribas reforçou a sua cobertura às duas empresas da EDP cotadas na bolsa nacional, apesar de manter a recomendação e preço-alvo inalterados em ambos os casos.

As ações da EDP Renováveis já estiveram no topo da tabela das subidas do setor na Europa. Mas, entretanto, a sua variação perdeu alguma força e foi substituída nessa posição pela EDP. 

No caso da EDP Renováveis, que esta segunda-feira chegou a valorizar 3,92% para os 22,80 euros por ação, o banco de investimento francês manteve a recomendação em "outperform", o que corresponde ao patamar de "comprar" ações. Já o preço-alvo ficou inalterado nos 23 euros por ação, o que lhe confere um retorno potencial de 1,3% face ao valor do fecho de sexta-feira.

A empresa, cujas ações não valorizavam tanto a meio de uma sessão desde 31 de agosto, tem estado ativa na gestão do seu portefóleo de energia eólica. Na semana passada anunciou a venda de mais 12% do capital eólico de 405 megawatts que detinha nos Estados Unidos ao fundo britânico Greencoat Capital, a quem tinha já vendido 68% do portefólio. Também no mesmo periodo reforçou a presença no Chile com um novo negócio, quatro meses depois de ter entrado no país. 


A casa de investimento reforçou ainda a recomendação de "comprar" para a casa-mãe EDP, estabelecendo um preço-alvo de 5,30 euros por ação, o que dá um retorno potencial de 10,8% face ao fecho da última sessão.

Até ao momento foram negociadas mais de 1,3 milhões de ações, que compara com a média de 6 milhões de títulos que foram transacionados por dia, nos últimos seis meses.

Na semana passada, a EDP voltou a financiar-se em dívida verde de longo prazo. A elétrica fechou uma emissão de 1.250 milhões de euros em títulos híbridos a 60,5 anos com duas opções de reembolso antecipado. A forte procura levou a uma revisão em baixa do juro ao longo do dia, tendo sido fechado na taxa mais baixa de sempre para uma emissão híbrida da empresa.

Depois de ter realizado mais uma operação, a EDP tem mais de 40% da dívida verde. Hoje, as ações da empresa liderada por Miguel Stiwell chegaram a subir 2,63% para os 4,792 euros.


Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.
Ver comentários
Saber mais research EDP Renováveis Europa BNP Paribas economia negócios e finanças macroeconomia Informação sobre empresas mercado e câmbios bolsa economia (geral) mercado financeiro mercado de dívida atividade bolsista mercado cambial
Outras Notícias