Política Monetária Draghi diz que programa de estímulos do BCE só termina quando a inflação subir

Draghi diz que programa de estímulos do BCE só termina quando a inflação subir

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse hoje que para terminar o programa de compra de dívida, a entidade deve constatar que a inflação está a subir de forma sustentada.
Draghi diz que programa de estímulos do BCE só termina quando a inflação subir
reuters
Lusa 14 de março de 2018 às 11:04

Draghi afirmou numa conferência em Frankfurt que "há uma condição muito clara para o BCE terminar o programa de compras líquidas de activos", designadamente "um ajustamento sustentado no ritmo da inflação para o objectivo" do BCE (abaixo, mas próxima de 2% a médio prazo).

 

A política monetária do BCE dever ser calibrada para assegurar que a inflação continua a este ritmo, precisou Draghi.

 

O presidente do BCE disse que há dois riscos para a subida da inflação: um é o contágio das novas medidas comerciais anunciadas pela administração norte-americana e o outro resultante dos movimentos nos mercados de divisas e outros mercados financeiros.

 

Os cálculos internos do BCE sugerem que o primeiro efeito na Zona Euro das medidas propostas pelo Governo norte-americano "vai ser possivelmente reduzido, incluindo se houver represálias simétricas dos sócios comerciais dos Estados Unidos", segundo Draghi.

 

Mas há efeitos secundários que poderiam ter consequências mais sérias, adiantou Draghi, como o risco de represálias a outros bens e uma escalada das tensões comerciais, bem como os efeitos negativos na confiança dos investidores.

 

O segundo risco está relacionado com a apreciação do euro desde o início do ano passado que pressiona para a baixa a inflação.

 

Em relação à volatilidade nos mercados financeiros em Fevereiro, Draghi disse que esta se concentrou nos rendimentos variáveis (acções) e que o contágio a outras classes de activos na Zona Euro foi moderado.

 

"Mas no caso de se produzirem ajustamentos de preços mais fortes nos mercados financeiros, devemos observar cuidadosamente as consequências", advertiu Draghi.

 

"Ainda que confiemos mais do que no passado que a inflação vai no bom caminho, os riscos e as incertezas permanecem", sublinhou, adiantando que é por esta razão, uma vez que as perspectivas económicas se tornam menos dependentes das compras de activos, que a política monetária deve ser paciente, persistente e prudente para garantir que a inflação regressa ao objectivo do BCE, defendeu Draghi. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 14.03.2018

Não vai subir. Vivemos numa economia e sociedade inerentemente deflaccionista devido aos mais recentes avanços tecnológicos onde o maior factor inflaccionista, os salários, tendem, em agregado, a reduzir-se. O segundo maior factor inflaccionista, o petróleo, está a entrar em desuso ao mesmo tempo que a sua extracção, mais uma vez devido à tecnologia, se torna mais fácil, barata e eficiente. Esta transformação irreversível é o corolário lógico de um processo designado de substituição trabalho-capital, em que o capital se substitui, a cada vez mais elevada taxa, ao trabalho.

comentários mais recentes
Anónimo 14.03.2018

Os "Mourinhos da Bolsa" convergiram todos para aqui? Tirem-me deste filme que sou investidor sério!

Anónimo 14.03.2018

Não vai subir. Vivemos numa economia e sociedade inerentemente deflaccionista devido aos mais recentes avanços tecnológicos onde o maior factor inflaccionista, os salários, tendem, em agregado, a reduzir-se. O segundo maior factor inflaccionista, o petróleo, está a entrar em desuso ao mesmo tempo que a sua extracção, mais uma vez devido à tecnologia, se torna mais fácil, barata e eficiente. Esta transformação irreversível é o corolário lógico de um processo designado de substituição trabalho-capital, em que o capital se substitui, a cada vez mais elevada taxa, ao trabalho.

ó monte de trampa de RPG 14.03.2018



massinhas o grande MAnobradoR do BCP

ó momte de trampa de massa bruta então TINHAMOS combinadao que tu e aturma do shortinho do BCP iam por hoje o BCP a 0.27 para eu comprar 5 MILHÕES de ações e depois ofereçia - te um PÓ PÒ novo e o BCP está a subir olha VAI

E perguntam e bem... 14.03.2018

Pq Draghi não sobe a tx d juro?Lol´s, pq o BCE teima na recuperação do sist.finaceiro/bancos à custa do endividamento público na UE ao engodo dos juros baixos e tb assim os bancos não têm d pagar as poupanças das pessoas e das famílias!

ver mais comentários
pub