Energia Produção da EDP Renováveis cresceu 14% até Março

Produção da EDP Renováveis cresceu 14% até Março

Recurso eólico "excepcional" em Espanha e Portugal permitiu crescimento de 16% na Europa.
Produção da EDP Renováveis cresceu 14% até Março
Rita Faria 18 de abril de 2018 às 07:45

A EDP Renováveis produziu 8,8 TWh de energia renovável no primeiro trimestre deste ano, o que representa um aumento de 14% face ao mesmo período do ano passado.

De acordo com os dados revelados pela empresa em comunicado emitido à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o aumento da produção beneficiou do "recurso eólico excepcional" assim como das "adições de capacidade com um factor de utilização superior".

Entre Janeiro e Março, as operações da EDPR na Europa e América do Norte geraram 45% e 54% do total da produção, respectivamente. Na Europa, a geração aumentou 16% face aos primeiros três meses de 2017 para 3,9 TWh, com a comparação anual "impulsionada pelo excepcional recurso eólico em Espanha e Portugal".

Na América do Norte, a produção aumentou 12% para 4,7 TWh, reflectindo o crescimento da capacidade instalada e o maior factor de utilização dos novos projectos. No Brasil, a produção aumentou 8% para 159 GWh, beneficiando das adições de capacidade apesar do menor recurso eólico no período.

Em comunicado, a empresa liderada por Manso Neto atingiu um factor de utilização de 38%, "reflectindo o superior recurso eólico no período, principalmente na Europa, assim como as adições de nova capacidade com factores de utilização superiores".

No mês de Março, a EDP Renováveis geria um portefólio de 11 GW em 11 países, dos quais 5,2 GW na Europa, 5,5 GW na América do Norte e os restantes 0,3 GW no Brasil.

No últimos 12 meses a empresa incrementou o seu portefólio global em 597 MW, dos quais 423 MW na América do Norte, 127 MW no Brasil e 47 MW líquidos na Europa.

Os resultados relativos ao primeiro trimestre serão divulgados no próximo dia 9 de Maio, antes da abertura do mercado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub