Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Gestor da Visabeira recusa integrar lista de acionista da Pharol para a administração

João Pisco de Castro recusa integrar a proposta para ser nomeado administrador da Pharol, tal como proposto pelo acionista da empresa portuguesa High Bridge.

A administração da Pharol, liderada por Luís Palha da Silva, propôs que os accionistas decidissem se avançam com processos contra ex-administradores. João Vicente Ribeiro, João Castro (Visabeira), Rafael Mora, Luís Palha da Silva, Francisco Cary e Jorge Cardoso aguardam o início dos trabalhos desta sexta-feira, 31 de Julho.
Pedro Elias
Alexandra Machado amachado@negocios.pt 13 de Março de 2019 às 21:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...
O representante da Visabeira, João Pisco de Castro, tinha sido proposto para integrar a administração da Pharol pela High Bridge, acionista da empresa portuguesa que pediu a inclusão na assembleia-geral de 29 de março de novos pontos de ordem para destituição e substituição de um conjunto de administradores da Pharol.

Depois de o seu nome ter aparecido nessa convocatória, João Pisco de Castro enviou ao presidente da mesa da assembleia-geral, Diogo Lacerda Machado, um pedido para exclusão da proposta de eleição. E dá como justificação o facto de ser membro do conselho fiscal da empresa, cargo "que pretendo honrar pela duração do mandato", sendo o cargo "incompatível com o de administrador".

Assim, segundo carta divulgada pelo presidente da mesa da assembleia-geral, informou a mesa de que "não posso aceitar integrar a lista de administradores propostos eleger pela acionista High Bridge".

Diogo Lacerda Machado aceitou a exclusão, resolvendo considerar prejudicado "o trecho da proposta apresentada pelo acionista High Bridge em que foi feita a indigitação para eleição do senhor eng. João Pisco de Castro".

Assim, a proposta fica com apenas três nomes. São eles Denise dos Passos Ramos, Carlos Bulhões Pereira e  Ronaldo Carvalho da Silva. Além de propor a integração destes elementos no conselho de administração da Pharol, a High Bridge propõe a destituição de quatro elementos: Maria do Rosário Correio, Maria Leonor Modesto, Pedro Morais Leitão e Jorge Cardoso, este último do Novo Banco.

Além disso quer também destituir, mas não preenchendo os lugares, Aristóteles Drummond e o representante da Adar, Bryan Schapira. A Adar reduziu posição na Pharol. Com estas duas saídas, a High Bridge quer reduzir a administração de 11 para nove elementos, justificando que "não se afigura existir qualquer vantagem na manutenção de um conselho de administração com um número tão elevado de membros".
Ver comentários
Saber mais High Bridge Pharol
Mais lidas
Outras Notícias