Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Saldo de junho do IVAucher já está disponível. Contribuintes acumularam 21,2 milhões

Os contribuintes que tenham aderido ao programa IVAucher podem já consultar nas suas aplicações ou no Portal das Finanças, anunciou o Governo. Em junho, as compras realizasas nos restaurantes, alojamento e cultura somaram 167 milhões e os contribuintes acumularam 21,2 milhões.

Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt 29 de Julho de 2021 às 19:15
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Durante o mês de junho chegaram às Finanças 6,2 milhões de faturas com número de identificação fiscal emitidas pelos  setores do alojamento, cultura e restauração, um crescimento de 34% face a junho de 2020. No total, estão em causa consumos num total de 167 milhões de euros, que permitiram aos contribuintes acumular um saldo de IVA equivalente a 21,2 milhões de euros, que poderão, a partir de outubro, abater em compras realizadas nos mesmos setores.

Os números foram divulgados esta quinta-feira pelo Ministério das Finanças, que nrealizou um primeiro balanço do programa IVAucher e contabiliza um impacto, só no mês de junho, equivalente a 42,4 milhões de euros.  

Até ao momento, segundo a mesma fonte, aderiram até agora ao programa 102 mil contribuintes, sendo que poderão continuar a fazê-lo até setembro, uma vez que, para já, estamos ainda fase de acumular o IVA relativo às compras realizadas. 

O IVAucher, recorde-se, permite que o imposto acumulado entre junho, julho e agosto, o período correspondente à primeira fase do programa, seja posteriormente descontado em 50% em novas compras nos mesmos setores. Para que as faturas sejam contabilizadas pelo Fisco será sempre necessário pedir que tenham o NIF. Em setembro as Finanças farão a contabilização final, tendo em conta a informação constante do e-fatura e a partir de outubro é que será possível dar uso aos descontos, até ao final do ano e, nomeadamente, na altura do Natal. 

O programa foi aprovado no Orçamento do Estado para 2021 com o objetivo de estimular o consumo nos setores mais afetados pela pandemia.

Ver comentários
Saber mais IVA economia negócios e finanças
Outras Notícias