Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Mais de um quinto das empresas tem crédito em moratória

No setor do turismo, mais de um terço das empresas tem créditos em moratória. Apesar de ser a mais significativa, o número de empresas que recorre a esta medida está a diminuir.

Com as restrições impostas aos horários da restauração, muitos optam por fechar aos fins de semana. O take-away voltou a ser permitido no horário de recolher obrigatório.
Luís Vieira
Rafaela Burd Relvas rafaelarelvas@negocios.pt 26 de Fevereiro de 2021 às 11:46
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...
Mais de 20% das empresas em Portugal ainda tem créditos em moratória, naquela que é, atualmente, a medida de apoio mais utilizada. A proporção de empresas que beneficia desta e das restantes medidas de apoio que foram sendo lançadas para responder ao impacto da pandemia está, ainda assim, a diminuir.

Os dados, divulgados esta sexta-feira, 26 de fevereiro, constam do mais recente Inquérito Rápido e Excecional às empresas (COVID-IREE), realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Banco de Portugal (BdP), relativo à primeira quinzena de fevereiro.

Segundo os resultados do inquérito publicados esta manhã, ao todo, 21,1% das mais de 5.500 empresas que responderam ao inquérito admitia ter recorrido à moratória do pagamento de juros e capital de créditos já existentes. Outros 65,3% diziam não estar a beneficiar desta medida e 13,6% não responderam a esta questão.

É no setor do turismo que esta medida tem maior peso, superior a um terço do universo de empresas. Entre as empresas de alojamento e restauração, 36,8% admitia ter créditos em moratória na segunda quinzena de fevereiro, proporção que, ainda assim, representa uma redução 3,9 pontos percentuais em relação a novembro.

Esta é, assim, a medida a que mais empresas estão a recorrer, mas o número de empresas que tem créditos em moratória está a diminuir. O anterior inquérito realizado pelo INE e pelo BdP, relativo ao mês de novembro, dava conta de que 26,7% beneficiavam, nessa altura, desta medida.

Também o recurso às restantes medidas de apoio está a diminuir. Na segunda quinzena de fevereiro, 13,5% das empresas tinha trabalhadores abrangidos pelo regime de lay-off simplificado e outros 11,6% tinha recorrido ao apoio à retoma progressiva, medida que permite a redução temporária do período normal de trabalho de todos ou de alguns dos trabalhadores. Em novembro, mais de 17% das empresas tinha trabalhadores em lay-off e mais de 20% tinha recorrido ao apoio à retoma progressiva.

Entre as empresas que recorreram a essas duas medidas, mais de metade tinha a larga maioria dos trabalhadores abrangidos por elas. Ao todo, 53,3% das empresas que recorreu ao lay-off ou ao apoio à retoma progressiva tinha mais de 75% dos trabalhadores abrangidos por estas medidas.

Já as linhas de crédito garantido pelo Estado tinham sido acedidas por 14,6% das empresas na segunda quinzena de fevereiro, abaixo dos 24,6% que eram registados em novembro.

As medidas mais recentes, que ainda não estavam em vigor em novembro e que só passaram a constar deste último inquérito, são as que têm menor adesão. Só 9,6% das empresas tinha recorrido ao programa Apoiar, através do qual são concedidos apoios a fundo perdido, e 4,4% tinham recorrido ao programa Apoiar Rendas.
Ver comentários
Saber mais empresas ine banco de portugal pandemia covid-19 COVID-IREE
Outras Notícias