Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 20 de janeiro de 2019 às 17:30

"Shutdown" pode travar novos IPO nos EUA?

São escassas as empresas que se aventuram a ir para a bolsa por estes dias. A elevada incerteza nos mercados, os receios de um abrandamento da economia mundial e o ambiente de crescentes tensões geopolíticas tem mantido novas empresas afastadas do mercado.

Mas, nos próximos meses, poderá assistir-se a um regresso de operações de dispersão de capital em bolsa. A Uber e a Lyft são duas das empresas que estão a preparar a sua oferta pública inicial (IPO, na sigla anglo-saxónica). As companhias terão entregue, em dezembro, os prospetos para o IPO. Contudo, o "shutdown" nos EUA poderá atrasar os planos das empresas que pretendem fazer a sua estreia em bolsa, nos próximos meses. Segundo a CNBC, as companhias que estão a preparar o seu IPO não estão a conseguir obter as orientações necessárias da parte do regulador norte-americano, a Securities and Exchange Commission (SEC) que necessitam para cumprir os prazos. Caso a paralisação parcial nos EUA dure até ao dia 14 de fevereiro, estas empresas terão que atualizar a informação financeira divulgada, com novos relatórios auditados de 2018. Um revés nos planos que pode atrasar a estreia de novas empresas no mercado, ou, pior, levá-las a reconsiderar o IPO.

 

Jornalista

pub

Marketing Automation certified by E-GOI