Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Referendo na Grécia: “Não” à proposta dos credores venceu com 61% (act)

Com 97,45% dos votos contados, a vitória do “não” no referendo à proposta apresentada pelos credores à Grécia já está garantida. Nesta fase o “não” segue à frente com 61,32% dos votos, face a 38,68% do “sim”.

David Santiago dsantiago@negocios.pt 05 de Julho de 2015 às 20:12
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

O eleitorado grego garantiu a vitória do "não" no referendo que decorreu este domingo, 5 de Julho, na Grécia. Quando já estavam contabilizados 97,45% do total de votos, o "não" recolhia a preferência de 61,32% do eleitorado, face aos 38,68% conquistados pelo "sim". Assim, a vitória significativa do "não" veio contrariar as sondagens que ao longo da semana - mas também as projecções divulgadas este domingo à boca das urnas - apontavam para um resultado renhido entre o "sim" e o "não".  

 

Ou seja, a população grega disse "não" à proposta apresentada pelas instituições credoras à Grécia no passado dia 25 de Junho e que, um dia depois, a 26 de Junho, levaram o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, a convocar a consulta popular que hoje teve lugar nas ilhas helénicas.

 

Confirmada esta tendência, o governo grego irá manter-se em funções, incluindo o próprio ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, que havia pré-anunciado a decisão de se demitir caso o "sim" vencesse. Pelo que o cenário de eleições antecipadas na Grécia parece agora estar colocado de parte.

 

Mas permanece uma densa nebulosa em torno do que o futuro ditará. Não sendo ainda conhecida nenhuma reacção dos principais líderes europeus, pouco deverá ser hoje antecipado. A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, irão encontrar-se amanhã, 6 de Julho, conversa que servirá certamente para avaliar as consequências da rejeição da população helénica às propostas dos credores.

 

Até porque, do lado europeu, foram vários os responsáveis, entre os quais o próprio líder do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, a mostrar a convicção de que este referendo serviria também para aferir da vontade dos gregos para continuarem a pertencer à Zona Euro. Interpretação desde logo rejeitada pelas autoridades gregas, que sustentaram, como foi o caso de Varoufakis, que não existe qualquer enquadramento legal que permita expulsar um país da moeda única.

 

Todavia, contrariamente ao prometido pelo governo helénico, dificilmente haverá um acordo entre Atenas e os credores nas próximas horas. Desde já porque ainda é preciso ouvir o que têm a dizer Merkel e Hollande.

 

Mas há mais dados em jogo. Desde já importa saber o que irá fazer o Banco Central Europeu (BCE). Depois de no fim-de-semana passado, o BCE ter rejeitado aumentar o tecto máximo da assistência de liquidez de emergência para a banca helénica (ELA, na sigla inglesa) – que assim permaneceu nos 89 mil milhões de euros – as autoridades helénicas viram-se obrigadas a decretar controlo de capitais no país e o encerramento dos bancos e da bolsa grega até, pelo menos, à próxima terça-feira, 7 de Julho.

 

Já este domingo, Gabriel Sakellaridis, porta-voz do Executivo grego, anunciou que ainda hoje as autoridades helénicas solicitariam à instituição presidida por Mario Draghi um novo aumento do limite máximo da ELA para os bancos gregos.

Mas antes de decidir entre um novo aumento ou a manutenção da ELA em 89 mil milhões de euros, o BCE terá de decidir se mantém, ou não, disponível a linha de emergência para a banca grega, isto numa altura em que a indefinição em torno do futuro grego se agudizou tendo em conta a vitória do "não". Vitória que poderá determinar um novo rumo nas conversações ao longo dos próximos dias.

(Notícia actualizada às 00h00)

Ver comentários
Saber mais Grécia Referendo Alexis Tsipras Yanis Varoufakis Angela Merkel François Hollande Eurogrupo Jeroen Dijsselbloem Zona Euro BCE Mario Draghi Gabriel Sakellaridis ELA
Outras Notícias